"Cinco fábulas para não adormecer" e pedir mimo

São cinco histórias curtas, algumas marionetas, dois atores, um vídeo e música certa para a ocasião. Cinco histórias que andam à volta de cinco dos sete pecados mortais e que tratam de afetos.

Trata-se de um espetáculo com conteúdo político adaptado à pequena infância (dos 3 aos 5 anos), mas que, como Caroline Bergeron gosta de sublinhar, "é para todas as pessoas a partir dos três anos".

A autora e encenadora da Companhia Caótica criou um espetáculo de marionetas "para que as crianças possam perceber porque é que os adultos são assim tão ocupados e tão preocupados". "Fala-se das necessidades que temos, enquanto crianças, de afeto, de mimo, e que os adultos parecem esquecer-se para eles próprios", conta Caroline.

Para mostrar que as crianças precisam de mimo e que, quando crescerem, vão continuar a precisar, Caroline Bergeron misturou pecados e afetos. "A questão do orgulho, a questão da inveja e da avareza, que para mim tem a ver com o poder, que faz com que os adultos se esqueçam da esfera do afeto na vida deles, e mais dois pecados que são transformados em virtudes: a gula e a preguiça."

Em palco, dois atores, Catarina Mota e Manuel Henriques, manipulam marionetas e são eles próprios personagens também. Em fundo, um vídeo e música para a ocasião, num teatro sem palavras.

"5 fábulas para não adormecer" apresenta-se dia 17 de março, às 16h00 no Convento de São Francisco, em Coimbra.

Continuar a ler