Cultura

Festival literário de Viseu ganha "pulmão internacional"

A organização, que arranca esta sexta-feira, espera receber mais de seis mil pessoas ao longo do evento.

Joanne Harris autora do livro "Chocolate". Olivier Rolin considerado um dos mais respeitados escritores franceses da atualidade. O escritor moçambicano Mia Couto e o autor e ministro da cultura e das indústrias criativas de Cabo-verde Abraão Vicente são alguns dos nomes que vão passar este ano pelo festival literário Tinto no Branco, que arranca esta sexta-feira e se estende até domingo em Viseu.

Nesta que é a quarta edição, o evento "adquire um grande pulmão internacional" nas palavras do vereador com os pelouros da Cultura e do Turismo da Câmara viseense.

"Temos nomes muito populares e internacionais que convidam a um contacto não apenas com a literatura portuguesa ou em língua portuguesa, mas também com a literatura traduzida, mas de caracter universal, vinda de outras paragens", afirma Jorge Sobrado.

A Joanne Harris, Olivier Rolin, Mia Couto ou Abraão Vicente juntam-se muitos outros autores como o realizador António-Pedro Vasconcelos, o encenador Ricardo Pais, o poeta Daniel Jonas e as escritoras Deana Barroqueiro e Filipa Melo que durante três dias (7, 8 e 9 de dezembro) vão passar pelo Solar do Vinho do Dão, o palco principal do festival literário.

O Tinto no Branco oferece aos visitantes muitas outras atividades para além dos encontros e conversas com os escritores. Inclui "também um conjunto de performances literárias, poéticas, concertos de Dead Combo e Luís Severo e um conjunto de workshops vínicos e de escrita criativa".

"São dezenas de iniciativas num solar magnífico do período do renascimento em Viseu", acrescenta Jorge Sobrado, sublinhando que este "é o mais distintivo dos festivais literários do país. "É um festival que faz a combinação de dois grandes prazeres universais: a literatura e os vinhos", defende.

Os melhores néctares da região demarcada do Dão não vão por isso faltar durante o evento já que, e na opinião do vereador da Câmara de Viseu, "casam de forma quase perfeita com a gastronomia, com a amizade e com a literatura". "São vinhos que harmonizam muito facilmente não apenas com pratos locais, mas com pratos de outras proveniências. De resto neste festival teremos a demonstração que uma cachupa cabo-verdiana tem nos vinhos do Dão o seu par gémeo ideal".

O Tinto no Branco é promovido pela Câmara Municipal e pela empresa Viseu Marca, tendo como parceira a Comissão Vitivinícola Regional do Dão. A organização está a contar "receber mais de seis mil pessoas" ao longo do evento.

  COMENTÁRIOS