"Gente d'um raio" que resistiu ao nazismo, em França, na guerra de 40

O novo livro do jornalista José Manuel Barata-Feyo, revela os nomes de centenas de portugueses que lutaram contra o nazismo na resistência francesa. O livro chama-se "A sombra dos heróis".

O jornalista José Manuel Barata-Feyo confessa que sentiu vergonha, quando um dia, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, lançou a pergunta "Então, e os portugueses, não lutaram na Resistência".

Vergonha, por "nunca, em mais de quatro décadas de jornalismo, ter tido a curiosidade de fazer esta pergunta, e procurar a resposta".

Mas foi essa pergunta que lançou as bases do livro " A sombra dos heróis" (edição Clube do Autor, 2019), onde entre muitas histórias, está uma lista inacabada de cerca de 350 portugueses, oriundos de todas as regiões de Portugal, e que, de uma maneira ou de outra, "lutaram pela liberdade, contra o nazismo".

José Manuel Barata-Feyo, entrevistado no Almoço TSF, explica muitos integraram as Brigadas Internacionais, que lutaram contra Franco, ao lado dos republicanos, na Guerra Civil de Espanha. Depois da derrota, continuaram a luta, em França.

Outros, já viviam em França, onde procuraram trabalho. A luta, na resistência, foi feita na clandestinidade, mantendo, muitas fezes, os empregos nas fábricas. "Eles podiam ter continuado quietinhos, como a maioria dos franceses fez, quando a guerra começou", desabafa o autor, que acrescenta "é aquilo que, em português vernáculo, chama-se gente d'um raio".

As fichas que permitiram desbloquear a dúvida, estão guardadas nos arredores de Paris, num arquivo do ministério da defesa francês.

O jornalista encontrou documentos, onde estão os nomes, a origem - registada pela transcrição fonética, presumivelmente, porque muitos destes portugueses nem escrever sabiam - e ainda a unidade da resistência onde atuou.

Raros foram os rastos encontrados em Portugal ou em França, sobre estas histórias, e José Manuel Barata-Feyo admite que o livro, é um documento, e não uma reportagem. Mas há histórias em "A sombra dos heróis" que podem originar boas reportagens. José Manuel Barata-Feyo avisa, no entanto, que não serão fáceis de fazer.

Sobre o autor

José Manuel Barata-Feyo exilou-se em França, duranta o estado novo. Lá estudou, e fez-se jornalista. Escreveu no Liberation, e foi correspondente do The New York Times e da então ANOP, a agência de noticias portuguesa que deu origem à Lusa.

Em Portugal, tem uma longa carreira ligada à RTP, onde foi foi jornalista e diretor, em diversas ocasiões. Foi o primeiro diretor da revista Grande Reportagem.

É o autor do romance histórico "A última missão", e vários livros de investigação sobre temas políticos e sobre jornalismo.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de