Há mais para ler e mais para ver em português na Feira do Livro de Leipzig

A dois anos de ser o país convidado da segunda maior feira do livro da Alemanha e uma das mais importantes da Europa, Portugal leva a Leipzig mais livros, mais autores, numa maior área expositiva.

É a quarta presença consecutiva de Portugal e, desde 2016, a aposta nacional não tem parado de crescer: são mais os autores de língua portuguesa, mais os livros disponíveis e mais espaço na feira.

"Estivemos presentes a primeira vez com 4 autores, a Hélia Correia, o João Tordo, o David Machado e a Alexandra Lucas Coelho. É muito bom verificar que a Hélia Correia já foi, entretanto, editada na Alemanha, e este ano, vamos ter também a Raquel Nobre Guerra de volta, que participou no nosso programa literário de Leipzig, em 2017, e regressa precisamente porque também encontrou uma editora e vai ser publicada aqui na Alemanha", revela Patrícia Severino, diretora do Camões - Centro Cultural Português em Berlim.

Além de livros, em português e alemão, dos autores que estão presentes nesta edição e dos que estiveram nos anos anteriores, há também espaço para nomes como Carlos de Oliveira, Jorge de Sena, Almada Negreiros ou Alexandre O"Neill, num total de quase 400 títulos.

A primeira vez que Portugal participou na Feira do Livro de Leipzig, há quatro anos, ocupou uma área de 18m2, crescendo nesta edição para 48m2. O número de autores também é, este ano, "mais significativo", com uma lista de dez nomes a marcar presença ao longo dos quatro dias de certame.

"Estabeleceu-se esta lógica, que é a que Portugal adota na área da cultura, e muito especificamente nas feiras do livro, que é ser uma presença de língua portuguesa e não uma presença estritamente de autores portugueses. Este ano teremos dois escritores moçambicanos connosco, Lucílio Manjate e Mbate Pedro e também o José Eduardo Agualusa. É um esforço na perspetiva das relações culturais internacionais, ou seja, não é focado no território nacional", frisa a conselheira cultural da Embaixada de Portugal na Alemanha.

Vão também marcar presença em Leipzig Afonso Cruz, Ana Margarida de Carvalho, Joana Bértholo e Valério Romão, além dos poetas João Luís Barreto Guimarães, e a repetente Raquel Nobre Guerra, que este ano verá publicada a sua primeira edição alemã. Completa a seleção de autores, o poeta Luís Castro Mendes, convidado pela editora Leipziger Literaturverlag, que vai apresentar uma edição bilingue.

"Houve um período largo em que não houve edição de autores portugueses. Há autores como Pessoa, Saramago, Lobo Antunes, que são extremamente conhecidos e que qualquer pessoa identifica como autores de língua portuguesa, mas, mesmo a Sophia de Mello Breyner, que este ano comemora o centenário, e que vamos assinalar no nosso stand e no nosso programa literário, tem apenas uma antologia poética editada aqui na Alemanha, o que é perfeitamente incompreensível", sublinha Patrícia Severino.

A diretora do Camões - Centro Cultural Português em Berlim, realça o trabalho "muito intenso" de preparação na feira e que faz parte da preparação para 2021, ano em que Portugal vai ser o país convidado em Leipzig.

A presença da literatura de língua portuguesa nesta edição resulta da parceria entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros, através do Camões - Instituto da Cooperação e da Língua e da AICEP, com o Ministério da Cultura, representado pela Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, o Turismo de Portugal, a Embaixada de Portugal na Alemanha, o Camões - Centro Cultural Português em Berlim, o Ministério da Cultura e do Turismo de Moçambique, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Casa Fernando Pessoa e a editora C.H. BECK.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de