Literatura

Maryse Condé vence prémio alternativo ao Nobel da literatura

Escritora natural das ilhas Guadalupe foi distinguida pela Nova Academia sueca.

A francesa Maryse Condé venceu o Prémio de Literatura da Nova Academia, distinção criada como alternativa ao prémio Nobel da Literatura.

A decisão foi unânime, "o júri não podia ter concordado mais" na escolha da laureada, anunciou esta sexta-feira Ann Palsson, presidente do júri.

"No seu trabalho, Maryse Condé descreve as consequências do colonialismo, e do caos que se seguiu, numa linguagem que é, ao mesmo tempo, precisa e avassaladora. Ficção e realidade sobrepõem-se com respeito e também humor."

A escritora de Guadalupe, departamento ultramarino da República Francesa nas Caraíbas, "narra a insanidade, disrupção e abusos do período pós-colonial, mas também a solidariedade e o afeto entre as pessoas.

Maryse Condé, de 85 anos, é autora de mais de 20 romances, feminista e ativista. Vive nos Estados Unidos e é considerada uma das autoras mais destacadas das Caraíbas.

O Prémio Nobel da Literatura não foi entregue este ano na sequência de um escândalo sexual dentro da Academia Sueca. O artista Jean-Claude Arnault, casado com a académica e poeta Katarina Frostenson, membro do comité que decidia a atribuição do Nobel da Literatura, foi condenado a dois anos de prisão por violação .

A Nova Academia foi fundada este ano por mais de cem figuras culturais suecas, como forma de protesto ao cancelamento do Prémio Nobel por parte da Academia.

Através de uma votação pública, em julho, sobro 47 autores de todo o mundo, nomeados por bibliotecários suecos, foram nomeados quatro finalistas ao prémio alternativo: o japonês Haruki Murakami, a francesa Maryse Condé, o inglês Neil Gaiman e a vietnamita Kim Thúy.

Após a nomeação Haruki Murakami disse que preferia ficar fora da lista de candidatos ao prémio, uma vez que estava "concentrado na escrita, longe da atenção mediática".

Depois da cerimónia formal de entrega do prémio, no dia 9 de dezembro, a Nova Academia será dissolvida.

  COMENTÁRIOS