Prémio Nobel

Nobel da Literatura vai para Bob Dylan

O Prémio Nobel de Literatura foi anunciado esta quinta-feira pela Real Academia Sueca, em Estocolmo. O cantautor, de 75 anos, não era uma escolha óbvia.

O prémio Nobel da Literatura 2016 foi atribuído a Bob Dylan, por ter criado novas formas de expressão poéticas no quadro da grande tradição da música americana, anunciou esta quinta-feira a Academia Sueca.

Numa curta entrevista após anunciar o premiado, a secretária permanente da Academia Sueca, Sara Danius, explicou que Bob Dylan mereceu o prémio por ser "um grande poeta na grande tradição poética inglesa".

"Ele encarna essa tradição", disse a responsável, lembrando que há 54 anos que o cantor, poeta e compositor se reinventa, criando novas identidades.

Instada a escolher uma canção emblemática do agora Nobel da Literatura, Sara Darius disse que o álbum Blonde on Blonde, de 1966, "é um exemplo extraordinário da sua forma brilhante de rimar e do seu pensamento pictórico".

A representante da Academia Sueca lembrou ainda, quando questionada sobre a especificidade da poesia de Dylan, que foi escrita para ser cantada, que também Homero e Safo, há mais de 2000 anos, escreveram poesia que devia ouvir-se. "E ainda hoje lemos Homero e Safo".

Alguma da obra literária do autor norte-americano Bob Dylan, Nobel da Literatura, também está publicada em Portugal, a par de composições e das edições discográficas.

Dois livros com letras de canções, que abrangem os álbuns publicados entre 1962 e 2001, foram editados pela Relógio d'Água ("Canções I e II"), enquanto o primeiro - e único, ainda - volume da autobiografia de Bob Dylan, "Crónicas", saiu pela Ulisseia.

Em 2007, a Quasi Edições publicou o livro de ficção "Tarântula", prosa-poema experimental de 1966, altura em que Bob Dylan editou o álbum "Blonde on Blonde" e teve um acidente de moto, que o obrigou a um período de recuperação.

Figura incontornável da música popular norte-americana, é o primeiro compositor a receber o prestigiado prémio da literatura. Bob Dylan sucede à bielorussa Svetlana Alexievitch, laureada com o Nobel da Literatura em 2015.

Atribuído pela primeira vez em 1901, ao francês Sully Prudhomme, o Nobel da Literatura, um dos mais mediáticos ao lado do Nobel da Paz, é sempre anunciado a uma quinta-feira, normalmente na primeira semana de outubro, na mesma semana em que outros quatro galardões criados por Alfred Nobel.

Mas por razões de calendário, o galardão para a área da Literatura é este ano o último a ser anunciado.