João Paulo Borges Coelho vence prémio literário BCI em Moçambique

Na obra, o escritor narra os seus tempos de menino na cidade da Beira, no bairro Ponta Gea.

O escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho é o vencedor da 8.ª edição do premio BCI de literatura com a obra "Ponta Gea", que combina as memórias de infância do autor com ficção, anunciou o júri do concurso.

"A abundância das descrições no enredo produz o efeito poético e concorre, por isso, para a singularidade da obra, do ponto de vista estético", justificou na terça-feira o júri, presidido pelo escritor e jurista Jorge Oliveira.

Na obra, João Paulo Borges Coelho narra os seus tempos de menino na cidade da Beira, no bairro Ponta Gea, pontuados com a imaginação permitida pela ficção, para sintetizar a ideia de que, na infância, a realidade surge fantasiada.

"Também concorre para a afirmação do estilo do autor, escrita limpa, corrida e que se tornou, indiscutivelmente, marca nas suas obras", acrescentou o Júri.

O escritor leva um valor pecuniário de 200 mil meticais como prémio do concurso que já havia vencido em 2010 com o livro "O Olho de Hertzog".

Em declarações à TSF, o escritor reconheceu que, de todas as obras que já criou, esta é a mais intimista, e por isso o prémio, é o mais inesperado.

João Paulo Borges Coelho nasceu no Porto, em 1955, mas obteve nacionalidade moçambicana.

Historiador, é professor catedrático de História Contemporânea de Moçambique e da África Austral, na Universidade Eduardo Mondlane, em Maputo, e professor convidado no Mestrado em História de África da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa,

Tem-se dedicado à investigação das guerras colonial e civil em Moçambique, tendo publicado artigos científicos em Moçambique, Portugal, Reino Unido, Espanha e Canadá.

"Ponta Gea", publicado em novembro, é o 11.º romance do escritor.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados