Ações da Benfica SAD caem 2,06% para 2,85 euros

O Benfica reagiu ainda na quarta-feira à detenção de Luís Filipe Vieira e a direção disse estar "firmemente determinada" a defender os interesses do clube.

As ações da Benfica SAD estavam esta quinta-feira a cair 2,06%, após a detenção na quarta-feira do empresário Luís Filipe Vieira, presidente do clube, numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a cem milhões de euros.

Às 12h00 em Lisboa, as ações da Benfica SAD estavam a cotar-se a 2,85 euros, depois de na sessão desta quinta-feira terem mudado de mãos 2107 ações da Benfica SAD a cotações que variaram entre o mínimo de 2,85 euros e o máximo de 3,0 euros.

A transação das 2107 ações da Benfica SAD gerou uma receita de 6116 euros.

Na quarta-feira, o título fechou a 2,91 euros cada, depois de terem sido negociadas 1324 ações da SAD, num total de 3893 euros.

O presidente do Benfica deverá ser ouvido esta quinta-feira em primeiro interrogatório judicial na sequência da sua detenção, na quarta-feira, no âmbito de uma investigação a alegados crimes de burla qualificada, fraude fiscal e branqueamento.

Luís Filipe Vieira é uma das quatro pessoas detidas, que, segundo o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), são suspeitas de estarem envolvidas em "negócios e financiamentos em montante total superior a cem milhões de euros, que poderão ter acarretado elevados prejuízos para o Estado e para algumas das sociedades".

Está previsto que os quatro detidos sejam presentes esta quinta-feira a primeiro interrogatório judicial, do qual poderá resultar a aplicação de medidas coação, "com vista a acautelar a prova, evitar ausências de arguidos e prevenir a consumação de atuações suspeitas".

O DCIAP informou na quarta-feira que foram detidos um dirigente desportivo, dois empresários e um agente do futebol e realizados 45 mandados de busca a sociedades, residências, escritórios de advogados e uma instituição bancária, em Lisboa, Torres Vedras e Braga.

Em causa estão "factos ocorridos, essencialmente, a partir de 2014 e até ao presente" e suscetíveis de configurarem "crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento".

O Benfica reagiu ainda na quarta-feira à detenção de Luís Filipe Vieira e a direção disse estar "firmemente determinada" a defender os interesses do clube lisboeta, pouco tempo depois de a SAD 'encarnada' ter indicado que as funções do presidente serão "asseguradas nos termos previstos na lei e nos estatutos" da sociedade.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de