"Posições extremadas." COP admite saída de presidente ou atletas da federação de judo

José Manuel Constantino admitiu à TSF que "as posições estão extremadas" e "neste quadro requer-se alguma moderação e um pensamento muito centrado naquilo que são os interesses desportivos" de Portugal.

PorClara Maria Oliveira com Dora Pires
© André Luís Alves/Global Imagens (arquivo)

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP) esclareceu, esta quinta-feira, que não tem poder legal para afastar o presidente da Federação Portuguesa de Judo (FPJ), mas admite que, no pior cenário, Jorge Fernandes pode deixar o cargo ou os atletas saírem da federação.

Após ter conhecimento da carta assinada por sete atletas olímpicos, que acusam o presidente da FPJ de "opressão", José Manuel Constantino chamou o dirigente a Lisboa.

O presidente do Comité Olímpico de Portugal contou à TSF que tentou evitar males ainda maiores e revelou que, na conversa com Jorge Fernandes, pediu que se entenda com os atletas a bem da modalidade e do país.

LEIA O COMUNICADO NA INTEGRA

"É desejável, para bem do judo e do desporto nacional, que as posições da direção da FPJ e as posições subscritas pelo conjunto de atletas se aproximem e seja possível encontrar soluções consensualizadas no procedimento da preparação desportiva destes atletas", apelou o presidente do COP.

José Manuel Constantino apela ao entendimento entre presidente da FPJ e atletas

Your browser doesn’t support HTML5 audio

O dirigente do Comité Olímpico de Portugal admitiu a saída do presidente da Federação Portuguesa de Judo, mas não excluiu a partida dos próprios atletas do organismo. "Se se acentua o processo de clivagem entre ambas as partes e de não aproximação, quer uma hipótese, quer outra, são possíveis."

Neste momento, José Manuel Constantino admite que "as posições estão extremadas" e "neste quadro requer-se alguma moderação e um pensamento muito centrado naquilo que são os interesses desportivos" de Portugal.

Presidente do COP admite saída de atletas ou do presidente

Your browser doesn’t support HTML5 audio

Os atletas Telma Monteiro, Catarina Costa, Bárbara Timo, Rochele Nunes, Patrícia Sampaio e Anri Egutidze acusaram o presidente da Federação Portuguesa de Judo (FPJ) de opressão e apelam à intervenção da tutela do desporto.

Em carta assinada pelos seis judocas, mais Rodrigo Lopes, a que a TSF também teve acesso, num total de sete dos 10 atletas do projeto olímpico da modalidade, são muitas as críticas a Jorge Fernandes, acusado de discriminação e ameaças, no que dizem ser um "clima insustentável e tóxico".

Relacionados

Veja Também

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG