"Levanto-me com a tristeza de tudo o que está a acontecer no Benfica e no futebol"

Aos 18 anos levantou a Taça dos Campeões Europeus com a camisola do Benfica. Agora, com 74 anos, António Simões é convidado do Entrelinhas e confessa-se "preocupado" e "desapontado" com o clube que ama desde sempre.

Considerado por muitos como a maior glória viva do Sport Lisboa e Benfica, o passado de António Simões esteve em retrospetiva na entrevista à TSF onde o ex-jogador diz não ter dúvidas sobre os seus feitos: "sei o que fiz e o que representei", considerando-se um dos "príncipes" do futebol.

Com 16 anos de futebol dedicados ao clube da Luz, clube pelo qual ergueu 10 campeonatos, 5 taças de Portugal e uma taça dos campeões europeus, António Simões revelou à TSF que, aos 15 anos de idade, esteve para assinar pelo eterno rival do clube encarnado, o Sporting Clube de Portugal.

Segundo conta, esse contrato não chegou a ser assinado devido à "maior agressividade" do scouting do Benfica que pagou 50 escudos ao Almada FC para "roubar" Simões à equipa leonina.

Com uma ascensão meteórica no clube da Luz, Simões recorda os primeiros treinos com o plantel principal do clube da Luz, contando ainda que foi o próprio Bela Guttman a ir buscá-lo às camadas jovens do Benfica. A estreia pela equipa principal dá-se pouco tempo depois, aos 17 anos, num jogo contra o Peñarol, no Uruguai.

Quanto ao resto da passagem de Simões pelo Benfica, está marcada nas páginas da história que é recordada ao longo da entrevista.

A lista dos reis e príncipes do futebol

Di Stefano, Puskas, Pelé, Eusébio, George Best, Beckenbauer, Cruyff, Maradona, Cristiano Ronaldo e Messi entram, segundo Simões, na lista dos "reis do futebol", numa rápida retrospetiva sobre o futebol.

Abaixo destes, o ex-jogador faz ainda uma outra listagem. A lista dos "príncipes quase reis" onde surgem nomes como Zidane, Platini e Bobby Charlton.

Eusébio da Silva Ferreira, o "atleta perfeito"

Com uma carreira feita lado a lado com o "pantera negra", Simões recorda os elogios e os momentos vividos com outra das lendas do clube da Luz.

"Já havia curiosidade em ver e já se falava muito dele", recorda Simões sobre os primeiros treinos de Eusébio, afirmando ainda que Eusébio "foi melhor que todos".

"Deus nosso senhor deu-lhe a leitura de jogo, a inteligência, capacidade de fazer golos, técnica, aquilo tudo só poderia dar em rei", sublinha Simões, o "irmão branco" de Eusébio.

Durante a entrevista, a comparação entre o Eusébio e Cristiano Ronaldo foi incontornável, mas para Simões, o "rei dos reis português é o Eusébio", isto porque apesar de Cristiano Ronaldo bater recordes a toda a hora, Eusébio "foi mais jogo", foi, portanto, um jogador mais completo.

Mágoa com o Benfica e a relação com Luís Filipe Vieira

"Estou triste, há dentro de mim alguma tristeza", revelou Simões à TSF, fazendo ainda um pedido às pessoas do clube para "que tivessem um pouco mais de cuidado quando se referem à história do Benfica".

Sobre o momento atual do futebol português, Simões questiona-se sobre o dirigismo em Portugal que tem "um presidente em ruína, um ex-presidente detido para interrogatório" e que vê o clube da Luz "envolvido em coisas extremamente desagradáveis".

Abordados durante a conversa, os vários casos judiciais associados ao Benfica desapontam e entristecem o ex-jogador de futebol que afirma que as quantidades de casos associados ao clube o fazem pensar que alguma coisa terá, de facto, acontecido.

"Levanto-me de manhã com a tristeza de tudo o que está a acontecer, não só no Benfica como também no futebol português", revelou.

Apesar dos casos de corrupção que assombram o futebol português, Simões mostrou-se confiante na justiça que "deixou de ter medo do futebol" e diz esperar punições a quem as mereça, mesmo que tragam custos para o seu clube.

Na entrevista concedida à TSF, Simões falou ainda da sua relação com Luís Filipe Vieira, atual presidente do Sport Lisboa e Benfica, revelando que apesar do atual presidente ser casado com uma sobrinha sua, a relação entre ambos "praticamente deixou de existir".

"Houve conflitos que espero que possam ser esclarecidos", contou.

Sobre os conflitos recentes com o clube, Simões foi perentório ao afirmar que não faz parte da ditadura do politicamente correto e que pertence "à fatia da independência", tendo todo o direito a ter uma opinião.

"Não há nenhuma vitória, nenhum título que hipoteque os meus princípios e os meus valores que, curiosamente, consolidei no Benfica", disse.

Em rota de colisão com o presidente encarnado, Simões e companheiros que foram campeões europeus pelo Benfica nos anos 60 vão ser homenageados na Assembleia da República. Na homenagem, Simões vai cruzar-se com Luís Filipe Vieira, mas garante que, por ele, o encontro vai ser pacífico.

Na conversa, Simões revela ainda que, ao contrário de Luís Filipe Vieira, não acredita que o Benfica volte a ser campeão europeu.

Livro de memórias a caminho

Na entrevista à TSF, Simões revelou que está a preparar um livro de memórias que será "um documento muito interessante".

No livro, Simões promete "falar de coisas que nunca disse publicamente" e promete ainda partilhar as suas experiências de vida para mostrar aquilo que conheceu e "dizer aos jovens o que é importante fazer".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de