Austrália diz que Djokovic "não está mantido em cativeiro" e pode sair quando quiser

Novak Djokovic permanece num hotel gerido pelas autoridades de imigração enquanto aguarda por um recurso contra a deportação pelo sistema judicial australiano.

O tenista sérvio Novak Djokovic está livre de deixar o hotel em Melbourne onde se encontra desde quinta-feira após o seu visto ter sido cancelado para poder regressar ao seu país de origem, disse esta sexta-feira o Governo australiano.

Djokovic, que chegou a Melbourne na quarta-feira à noite, com uma isenção médica que lhe permitiria defender o seu título no Open da Austrália sem estar vacinado, está a ser mantido num hotel gerido pelas autoridades de imigração enquanto aguarda por um recurso contra a sua deportação pelo sistema judicial australiano na segunda-feira.

"O Sr. Djokovic não está a ser mantido em cativeiro na Austrália. É livre de sair quando quiser e a Força de Fronteira irá certamente facilitar isso", disse a ministra australiana dos Assuntos Internos australiana Karen Andrews, numa entrevista à emissora pública ABC.

Estas declarações surgem após o Ministério dos Negócios Estrangeiros sérvio ter apresentado um protesto formal ao embaixador da Austrália na Sérvia, Daniel Emery, na quinta-feira sobre o "tratamento indecente" que o tenista está a receber em Melbourne.

De acordo com uma declaração governamental, a Sérvia espera que Emery faça um esforço pessoal para assegurar que Djokovic tenha alojamento adequado para um desportista do seu estatuto enquanto aguarda a decisão do tribunal.

A ministra australiana dos Assuntos Internos da Austrália também defendeu a decisão das autoridades de imigração que tinham concedido um visto ao sérvio de 34 anos e depois revogaram-no porque se determinou, quando chegou ao país, que não dispunha de provas suficientes para provar que cumpria os requisitos que lhe foram impostos na Austrália pela pandemia da Covid-19.

"É da responsabilidade do indivíduo garantir que possui toda a documentação necessária para entrar na Austrália", disse Andrews.

A disputa sobre as isenções médicas concedidas pela Tennis Australia e pelo governo regional vitoriano levou o Executivo de Camberra a investigar licenças semelhantes concedidas a pelo menos duas outras pessoas que participarão no torneio em Melbourne, que decorre de 17 a 30 de janeiro.

A vacina é obrigatória para a entrada na Austrália, mas existem isenções temporárias para pessoas que têm uma "condição médica grave", que não podem ser vacinadas porque contraíram Covid-19 nos seis meses anteriores ou tiveram uma reação adversa, entre outras razões.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de