Bruno Fernandes brilha diante da Roma e United tem um pé na final da Liga Europa

Os Red Devils bateram a Roma de Paulo Fonseca por 6-2, em Old Trafford.

O português Bruno Fernandes ajudou esta quinta-feira o Manchester United a colocar "pé e meio" na final da Liga Europa de futebol, ao contribuir com dois golos e duas assistências na vitória sobre a Roma (6-2), de Paulo Fonseca.

Em Old Trafford, o médio internacional luso inaugurou o marcador, aos nove minutos, tirando partido de uma combinação perfeita entre Paul Pogba e Edinson Cavani, só que os romanos deram a volta ao marcador ainda na primeira parte, com tentos de Lorenzo Pellegrini, aos 14, de grande penalidade, e Edin Dzeko, aos 33.

Os italianos tiveram de fazer face a vários contratempos no primeiro tempo, já que o técnico Paulo Fonseca foi obrigado a realizar três substituições forçadas, devido às lesões de Jordan Veretout, Leonardo Spinazzola e do guarda-redes Paul López.

Logo após o reatamento do jogo, o Manchester United iniciou um verdadeiro "assalto" à baliza da Roma, com o uruguaio Cavani a "bisar", aos 48 e 64 minutos, recebendo um passe de Bruno Fernandes no primeiro dos dois tentos.

Em vantagem, os "red devils" não se retraíram e foram avolumando o marcador, através de um penálti de Bruno Fernandes, aos 71 minutos, e de um golo de Paul Pogba, aos 75, na sequência de um cruzamento do médio luso, antes de fixarem a "meia dúzia" por intermédio do recém-entrado Mason Greenwood, aos 85.

A formação comandada por Ole Gunnar Solskjaer tem praticamente garantida a presença na final de Gdansk, na Polónia, o que só não sucederá se acontecer uma hecatombe na próxima semana, em Roma, onde será disputada a segunda mão da meia-final.

Sob arbitragem do português Artur Soares Dias, o Villarreal adiantou-se ao Arsenal na outra "meia" da competição, vencendo por 2-1, em Espanha, numa partida marcada pelo reencontro entre o técnico do "sumarino amarelo", Unai Emery, e os "gunners", os quais liderou entre 2018 e 2020.

À procura de garantir a primeira final da prova, após três eliminações nesta fase da competição - uma das quais diante do FC Porto, em 2010/11 -, o Villarreal adiantou-se logo aos cinco minutos, por Manu Trigueros, e dilatou a vantagem num canto de "laboratório", que permitiu a Raúl Albiol marcar, aos 29.

Já sem Dani Ceballos, expulso à passagem da hora de jogo, o Arsenal conseguiu deixar a eliminatória em aberto, graças a uma grande penalidade convertida pelo costa-marfinense Nicolas Pépé, aos 73 minutos, pouco antes de Etienne Capoué "equilibrar" as "peças" em campo, ao também ser admoestado com o cartão vermelho.

Os jogos da segunda mão das meias-finais da Liga Europa jogam-se na próxima quinta-feira, dia 06 de maio, ambos às 20:00 (hora de Lisboa).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de