Testa de Ferro resolveu. Sem poder de fogo, Benfica bate Tondela

Veja os golos. Encarnados sem Rafa, RDT ou qualquer poder de fogo venceram a custo. Vlachodimos foi o homem do jogo para a TSF.

Valeu a testa de Ferro para desbloquear um jogo complicadíssimo para o Benfica em Tondela. Os encarnados venceram por 1-0 com um golo do central, marcado aos 19', que permite às águias somarem 21 pontos e subirem ao primeiro lugar do campeonato, ficando a liderança dependente do resultado do FC Porto-Famalicão.

Sem Rafa, Bruno Lage optou por lançar Cervi - que ainda não tinha jogado para a Liga - no corredor esquerdo e, face à lesão de RDT, foi Taarabt quem regressou ao onze para jogar nas costas de Seferovic. Entraram melhor os encarnados, com Pizzi a obrigar Cláudio Ramos a ir ao relvado logo no primeiro minuto, depois de ter surgido desmarcado pela direita.

O Tondela inovou em termos táticos neste jogo: optou por um esquema com três centrais (Yohan Tavares, Bruno Wilson e Philipe Sampaio), com dois laterais muito projetados (Moufi e Filipe Ferreira). Lá na frente estava o crónico e supersónico Murillo.

Lá na frente, a estratégia do Tondela parecia resultar: muita pressão, muita largura e Vlachodimos obrigado a jogar mal e para fora. Na defesa, a situação já era outra: os três centrais do Tondela eram obrigados a acompanhar o movimento das quatros peças ofensivas do Benfica e Pizzi, sendo o mais móvel, era quem criava mais problemas.

Voltemos à largura do Tondela: perda de bola de Gabriel, a bola vai à esquerda para Filipe Feirreira, é enviada para o Murillo na direta e Denilson, na passada, rematou da marca de penálti. Vlachodimos defendeu com o pé. No minuto seguinte, era obrigado a voar para responder a Xavier. O greco-alemão aplicava-se a fundo. Os primeiros dez minutos de jogo prometiam.

Ao quarto de hora de jogo, João Pedro fez um falta em zona quase proibida e ofereceu ao Benfica um livre direto à entrada da grande área. Pizzi e Grimaldo tiraram as medidas à baliza. O espanhol errou os cálculos. Os movimentos interiores de Pizzi continuavam a ser a principal arma encarnada e foi de um remate do médio que nasceu o perigo.

Cláudio Ramos defendeu para canto. Grimaldo foi lá batê-lo e Ferro, da marca da grande penalidade, cabeceou com grande potência para o fundo das redes, fazendo o primeiro da partida aos 19'. É o primeiro golo do central nesta época, o quarto pela equipa principal encarnada.

A festa encarnada podia ter acabado no minuto seguinte mas Denilson, a dois metros da baliza, cabeceou por cima. O Tondela viu-se obrigado a correr atrás do resultado e fê-lo com bastante critério, procurando Murillo e Xavier que, na profundidade, aproveitavam as subidas dos laterais encarnados. Tanto que, aos 36', Florentino viu-se obrigado a parar Murillo em falta e foi o primeiro a ver o amarelo no jogo.

Denilson parecia ser o elo mais fraco do ataque tondelense, deixando no ar a sensação de que, com um ponta de lança mais assertivo, o Tondela criaria mais perigo. A primeira parte acabava com o Benfica na frente, num resultado que era melhor do que a exibição encarnada.

A segunda parte começou com o Benfica novamente por cima. Demasiado até, quando Florentino tentou um vólei à entrada da grande área tondelense que viu a bola ir parar à bancada. Aos 66', Chiquinho voltava a competir pelo Benfica, rendendo Taarabt. O português fez, aos 76', o primeiro remate à baliza da segunda parte.

O treinador do Tondela quis mostrar que não dava o jogo por perdido e desmontou o esquema: tirou Philipe Sampaio e lançou Richard no jogo. Não satisfeito, tirou o lateral-esquerdo Filipe Ferreira e lançou Jonathan Toro, passando Moufi para o corredor esquerdo. Segundos depois, o azar batia à porta de Denilson, que saiu de maca para entrar Strkalj.

O Tondela usou os últimos cinco minutos de fogo para arriscar o tudo por tudo. Ora por um lado, ora pelo outro, os beirões avançavam a todo o gás e obrigavam a defesa do Benfica a encostar atrás. Faltava mais rigor no último passe e, sobretudo, calma na hora de rematar à baliza.

Onze do Tondela: Cláudio Ramos; Fahd Moufi, Yohan Tavares, Philipe Sampaio, Bruno Wilson, Filipe Ferreira; João Pedro, Pepelu, Jhon Murillo, Xavier; e Denilson.

Onze do Benfica: Odysseas; André Almeida, Rúben Dias, Ferro e Grimaldo, Pizzi, Florentino, Gabriel e Cervi; Taarabt e Seferovic.

Suplentes do Tondela: Babacar Niasse, Jaquité, João Reis, Tomislav Strkalj, Ricardo Alves, Jonathan Toro e Richard Rodrigues.

Suplentes do Benfica: Ivan Zlobin, Chiquinho, Jardel, Jota, Gedson, Tomás Tavares e Carlos Vinícius.

O jogo foi apitado por Hugo Miguel, assistido por Bruno Jesus e Ricardo Santos. António Nobre foi o VAR.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados