Flamengo na final do Mundial de Clubes

Equipa de Jorge Jesus venceu o Al-Hilal por 3-1.

O Flamengo, treinado pelo português Jorge Jesus, venceu esta terça-feira por 3-1 os sauditas do Al-Hilal e apurou-se para a final do Campeonato do Mundo de clubes, em Doha.

Na final do Mundial de clubes, agendada para sábado, o campeão brasileiro e da Taça Libertadores terá pela frente o vencedor da outra meia-final, entre os ingleses do Liverpool e os mexicanos do Monterrey, que se defrontam na quarta-feira.

Depois de o primeiro canto do jogo ter sido para o Flamengo, o Al-Hilal ganhou três cantos consecutivos aos seis minutos. Nenhum deles causou grande perigo à baliza da equipa brasileira. O Flamengo está a ter alguma dificuldade em manter a posse de bola.

Aos 10 minutos houve um houve uma entrada fora de tempo de Pablo Marí, que deu origem a um livre para o Al-Hilal. Seguiu-se uma jogada combinada da equipa da Arábia Saudita, que acabou por ganhar canto.

Depois de Gerson ter estado perto de fazer o primeiro do Flamengo aos 14 minutos, após de um erro do guarda-redes Almuaiouf, foi a ver do Al-Hilal deixar os adversários a tremer. Valeu ao Mengão de Jesus uma grande defesa de Diego Alves, a evitar o golo de Salem. Na recarga, Gomis rematou por cima.

Aos 18 minutos, Salem inaugurou o marcador, que rematou já dentro da área. Diogo Alves ainda tocou na bola, mas o desvio foi insuficiente. Dois minutos depois, Bruno Henrique levou cartão amarelo e arriscou-se a ver o vermelho, por continuar a protestar com o árbitro. Há muita movimentação, mas pouca dinâmica no futebol do Flamengo.

Perto da meia hora de jogo, Alburayk tirou o pão da boca de Bruno Henrique, ao fazer um corte na hora H dentro da grande área. Mereceu o beijo que o guarda-redes Almuaiouf lhe deu a seguir. Cinco minutos depois, Willian Arão é avisado pelo árbitro depois de fazer falta, por trás, sobre Salem.

Desde que marcou o golo, o Al-Hilal deixou de atacar tanto e passou a fechar-se no seu meio campo, impedindo a subida dos dois laterais do Flamengo, por onde costuma chegar a maior parte dos lances ofensivos da equipa brasileira. Os árabes mostraram-se muito disciplinados do ponto de vista defensivo.

A fechar o primeiro tempo, Giovinco viu cartão amarelo por falta sobre De Arrascaeta. O árbitro deu três minutos de compensação, mas ainda houve tempo para também Pablo Marí ver cartão amarelo por falta sobre Eduardo. Foi o terceiro amarelo da partida. Dois deles para jogadores do Flamengo.

Regressado dos balneários a todo o gás, o Flamengo marcou aos quatro minutos do segundo tempo, por intermédio de Arrascaeta. O uruguaio só teve de encostar após assistência de Bruno Henrique. Pouco depois, aos 54 minutos, foi a ver do Al-Hilal responder com um remate perigoso de Carrillo. A bola saiu por cima da baliza do Flamengo.

Aos 64 minutos, o jogo estava a dar mais Flamengo, pois o Al-Hilal já não estava tão coeso. Três minutos depois, o Al-Hilal ganhou um livre perigoso, na sequência de uma falta de Gerson sobre Giovinco. Foi o próprio jogador que sofreu a falta quem bateu o livre, mas a bola saiu ao lado, sem problemas para Diego Alves.

A equipa do Flamengo parecia estar com dificuldades de aceleração. A correr atrás da vitória, Jorge Jesus tira Gerson e põe Diego. Com o jogo empatado a 15 minutos do final, já cheira a prolongamento.

Aos 78 minutos, Bruno Henrique aproveitou um cruzamento perfeito de Rafinha, que tinha sido desmarcado por Diego, e fez o 2-1 de cabeça.

O Al-Hilal ainda estava a recuperar do golo de Bruno Henrique quando, aos 82 minutos, o Flamengo fez o 3-1. O golo foi de Al-Bulayhi na própria baliza, quando tentava evitar que a bola chegasse a Gabigol. Depois do golo, Carrillo, que estava a fazer um excelente jogo, viu um cartão vermelho e foi para a rua.

O jogo terminou com uma vitória do Flamengo, que garantiu a presença da equipa brasileira na final do Mundial de Clubes após vencer o Al-Hilal por 3-1.

Onze inicial do Flamengo: Diego Alves; Rafinha, Pablo Marí, Rodrigo Caio e Filipe Luís; Willian Arão e Gerson; De Arrascaeta, Éverton Ribeiro e Bruno Henrique; Gabriel Barbosa.

Onze inicial do Al-Hilal: Almuaiouf; Alburayk, Al Bulayhi, Jang, Shahrain, Cuellar, Carlo Eduardo, Salem, Carrillo, Giovinco e Gomis.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de