Erro(s) de perdição. FC Porto vence Famalicão e iguala Benfica na tabela

Veja os golos. Um duelo de sotaque nortenho revolucionou o topo da tabela.

Acabou a invencibilidade do Famalicão, até aqui líder do campeonato português. A equipa que se orgulha de originar nos adeptos um "amor de perdição", viu a sua derrota nascer de dois erros na construção do jogo. O FC Porto aproveitou-os da melhor forma e venceu por 3-0, somando assim 21 pontos e igualando o Benfica no topo da tabela classificativa.

Depois do empate para a Liga Europa, na última quinta-feira, frente ao Rangers, a equipa de Sérgio Conceição procura voltar a vencer em casa. Romário Baró está fora da convocatória azul e branca. Sérgio Conceição, a cumprir o jogo 300 da carreira como treinador principal, aproveitou para fazer uma pequena revolução: lançou Mbemba no onze, relegou Alex Telles e Zé Luís foram para o banco e Marega nem isso. Soares assume o ataque.

O sistema de jogo era um misto entre o 4-4-2, com Mbemba a fechar na direita e Luis Díaz a fazer dupla com Soares e o 3-4-3, com Mbemba, Pepe e Marcano mais recuados e Soares ladeado por Corona e Luis Díaz lá na frente. Certo é que em qualquer dos sistemas, a esquerda é de Manafá.

O primeiro remate perigoso da partida saiu dos pés de Uribe que aproveitou uma bela perdida à entrada da grande área para assustar Defendi. Pelo Famalicão, com dez minutos de jogo, já três jogadores se destacavam: Patrick William pelos passes falhados a partir da defesa e Fábio Martins, pelos metros que obrigava Mbemba a correr. Acima de todos estava Defendi, com quatro defesas cruciais nos primeiros minutos de jogo.

O quarto de hora no Porto trouxe a primeira assobiadela. Soares isolou-se na esquerda e, em duelo com Lionn, acaba por cair no interior da grande área. As imagens televisivas esclareceram: o lateral brasileiro chegou primeiro à bola e Soares foi apenas um dano colateral.

Marchesín não quis ficar atrás de Defendi no duelo de guarda-redes. Fábio Martins rematou do meio da rua e o argentino, que estava ligeiramente adiantado, viu a bola começar a perder altitude rapidamente: respirou, saltou, esticou-se e desviou-a por cima da trave.

Uma coisa era certa: nesta partida defrontavam-se duas equipas que atacavam sem qualquer medo nem reserva e o Dragão bem podia agradecer a essa filosofia o espetáculo a que estava a assistir. Espelho disso eram os 13 remates - oito deles às balizas - que se registavam aos 40 minutos.

O Famalicão pagou cara a coragem. Patrick William volta a falhar um passe e coloca a bola nos pés de Otávio. O brasileiro avança pelo corredor central e dá a Luis Díaz. O colombiano só precisou de tabelar com Corona e atirou a contar. Em cima do intervalo, 1-0. Um erro de perdição.

Seis golos para o colombiano nesta temporada, dois no campeonato e o terceiro jogo consecutivo a marcar. Chegava o intervalo.

A segunda parte trouxe uma nova estratégia portista: com Patrick William identificado como "elo mais fraco", o ataque dos dragões concentrava a pressão no brasileiro.

A primeira grande oportunidade do segundo tempo cai nos pés de Corona que, depois de um cruzamento a partir da esquerda, usou o pé canhoto para rematar de primeira. Passou a centímetros do poste.

João Pedro Sousa, treinador famalicense, não gostou e preparou duas substituições: entraram Racic e Schiappacasse para os lugares de Guga e Anderson. A resposta não terá sido a desejada.

O FC Porto, que assumia claramente o jogo, acabou por chegar ao segundo golo aos 72'. Mais um erro de construção e Soares só teve de correr em linha reta: o primeiro remate bateu num defesa, a bola voltou para os pés do brasileiro e só precisou de fintar o guarda-redes. Estava feito o 2-0.

O brasileiro acabou por dar a vez a Fábio Silva, o jovem avançado do FC Porto que se tornou no mais jovem de sempre a marcar pela equipa principal dos dragões. E repetiu-o.

Pressão altíssima dos dragões sobre a construção de jogo do Famalicão e desta vez foi Fábio Silva quem ficou com a bola nos pés. O jovem só precisou de se virar para a baliza e atirar a contar para o 3-0.

Com esta vitória, o FC Porto iguala o Benfica no topo da tabela, com 21 pontos.

Onze do FC Porto: Marchesín, Mbemba, Pepe, Marcano, Manafá, Danilo, Matheus Uribe, Otávio, Tecatito Corona, Soares e Luis Díaz

Onze do Famalicão: Defendi; Lionn, Patrick William, Nehuén Pérez e Centelles; Guga, Gustavo Assunção e Pedro Gonçalves; Fábio Martins, Anderson e Rúben Lameiras.

Suplentes do FC Porto: Diogo Costa; Alex Telles, Bruno Costa, Loum, Nakajima, Fábio Silva e Zé Luís.

Suplentes do Famalicão: Vítor Caetano; Riccieli, Nico Schiappacasse, Uros Racic, Walterson, Diogo Gonçalves e Toni Martínez.

O árbitro desta partida foi Fábio Veríssimo, auxiliado por Rui Teixeira e Nuno Pereira. João Bento foi o quarto árbitro. No VAR esteve Luís Ferreira, Pedro Ribeiro foi o auxiliar do videoárbitro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados