"É à português, mais uma a sofrer. Se forem todas assim e ganharmos, está tudo bem"

Avançado de 23 anos marcou no seu primeiro jogo num Mundial e falou de um momento "arrepiante".

As palavras são de quem esteve em campo, mas quem não pisou a relva terá sentido o mesmo. No final da vitória portuguesa sobre o Gana, por 3-2, num jogo em que a equipa nacional sofreu dois golos pouco depois de marcar, João Félix admitiu que este foi mais um jogo "à portuguesa".

Em declarações às televisões portuguesas a partir de Doha, o avançado - que marcou o segundo golo português - admitiu que a equipa nacional acabou por dificultar o jogo, mas o que importa é o resultado final.

"É à português, mais uma a sofrer. Mas se forem todas assim e ganharmos está tudo bem", reconheceu Félix, que não deixou de assinalar que Fernando Santos já tinha avisado a equipa. "Nós é que nos metemos a jeito para sofrer golos", sublinhou, "nós é que lhes damos as oportunidades e se evitarmos esses pormenores, somos uma equipa que dificilmente sofre golos e dificilmente perdemos".

Na análise ao jogo, o avançado assinalou que na primeira parte - que acabou empatada a zeros - os ganeses "estavam muito mais organizados, com mais vontade e meteram-se muito lá atrás".

"Quando assim é, contra uma equipa rápida, agressiva e lutadora, é difícil entrar na área deles. Ainda tivemos algumas ocasiões em que podíamos ter feito [golo], não fizemos, mas controlamos o jogo", garantiu. Na segunda parte, a equipa acabou por apostar na paciência - "porque com paciência eles desequilibram-se um bocado mais e abrem espaços para podermos atacar" - e foi feliz. "Depois infelizmente eles fazem um golo do nada e lá tivemos de remontar, estivemos muito bem", apontou ainda.

Neste que foi o seu primeiro jogo numa fase final de um Mundial, Félix admitiu que "fazer logo golo é uma coisa com que sonhamos desde pequenos".

"Foi arrepiante, dos melhores momentos da minha carreira até agora. É para o grupo, amigos e família, é por eles que jogo", assinalou ainda o avançado, que assinalou que "o primeiro passo" do percurso português "está dado".

"Era muito importante ganhar, dá-nos moral e confiança para os jogos que aí vêm. E mais tranquilidade, que é precisa nestas competições, acaba por haver sempre nervosismo. Dá-nos tranquilidade para os próximos dois jogos", contra Uruguai e Coreia do Sul.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de