Início com chuva torrencial, Sporting abandona mas volta e ganha. A história do 1.º dérbi

A TSF esteve no Campo da Quinta Nova, em Carcavelos, onde se disputou o primeiro dérbi da história entre Benfica e Sporting, para recordar as curiosidades de um jogo que marca o início da rivalidade entre águias e leões

A 1 de dezembro de 1907 disputa-se o primeiro encontro entre águias e leões, no Campo da Quinta Nova, em Carcavelos. 114 anos passaram e hoje é noite de mais um dérbi da capital. A TSF recuou mais de um século no tempo e foi às origens dos derbies para recordar o início da rivalidade entre Benfica e Sporting.

Estamos no Campo da Quinta Nova, onde tudo é diferente comparado com o ano de 1907. Com a ajuda de Ricardo Serrado, um dos primeiros historiadores a dedicar-se ao estudo científico do fenómeno desportivo, e do futebol em particular, recordamos o primeiro dia que opôs Benfica e Sporting: "Era um campo pelado, as balizas eram de madeira, construídas pelos próprios jogadores e as marcações do campo também eram feitas pelos jogadores."

Agora, o Campo da Quinta Nova, local onde joga atualmente o Grupo Sportivo Carcavelos, tem um relvado sintético, uma pequena bancada (dá para sentar cerca de 50 pessoas), e as balizas são novas. Antigamente não era bem assim... como conta à TSF o historiador Ricardo Serrado: "As redes eram aquelas de pesca, que muitas vezes os jogadores encontravam junto de portos marítimos, portanto eram condições completamente diferentes."

O tamanho do campo, pelo menos, era igual. Já a entrada para o recinto, desconhece-se como seria antigamente - não há registos - hoje em dia, e porventura há um século, tem de se descer por um caminho de terra, entre pinheiros, para se chegar ao campo. Para os adeptos, imagina-se que o percurso era o mesmo. Mas para ver o jogo, junto ao campo, o sítio destinado para os adeptos é bem diferente daquele que era há 114 anos: "Calcula-se que neste jogo estariam alguns milhares de pessoas e essas pessoas estariam à volta de campo. E era muito frequente nessa altura, e pouca gente sabe isso, haver muitas escaramuças entre os adeptos e os árbitros e até os jogadores", conta Ricardo Serrado, licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e mestre em História Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais.

Nesse ano do primeiro dérbi, pouco antes, oito jogadores trocam o Benfica pelo Sporting, em busca de melhores condições que na altura os leões ofereciam. E é aí que começa a eterna rivalidade, "porque estamos a falar de uma espécie de um Sport Lisboa A versus um Sport Lisboa B, ou seja, estamos a falar de oito jogadores que faziam parte de uma equipa principal que saíram para uma equipa mais forte e com melhores condições, contra uma equipa mais modesta, as reservas, isto é, os jogadores que ficaram no Sport Lisboa (Benfica)", explica o historiador.

Quanto aos sistemas táticos iniciais, os treinadores apostavam sempre no mesmo. Jogavam com dois defesas centrais (um defesa mais à direita e outro mais à esquerda), depois três médios e cinco avançados. Ou seja, num 2x3x5. Em relação ao jogo, Ricardo Serrado recorda um episódio curioso: "Tudo começa numa tarde sem chuva, mas rapidamente tudo muda. Começa a chover torrencialmente, o Sporting está a ganhar por 1-0, mas como está a chover muito e o campo fica todo enlameado (era um pelado), os jogadores do Sporting decidem ir embora e abandonar o jogo. Os jogadores do Sport Lisboa (o Benfica) ficam no campo, ainda por cima estavam a perder e queriam dar a volta ao jogo. Teve de ser o árbitro, na altura um árbitro inglês, a obrigar os jogadores do Sporting a voltarem, contra a vontade deles. O que aconteceu é que os jogadores do Sporting, a muito custo, tiveram que voltar ao jogo."

O Sporting acabou por ganhar o jogo por 2-1. Cosme Damião, fundador do Sport Lisboa, marcou na própria baliza o golo decisivo do primeiro dérbi da história entre águias e leões.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de