Desporto

Aves está fora da Liga Europa mas atira culpas à Federação

Em comunicado, o clube assegura que não teve culpa em relação à não entrega dos documentos necessários para as competições europeias.

O Desportivo das Aves não vai estar presente na Liga Europa e descarta culpas através de um comunicado publicado na sua página oficial de Facebook, apontando o dedo à Federação Portuguesa de Futebol.

Frisando que as notícias em torno dos avenses e das competições europeias "não poderiam andar mais longe da verdade", o clube recorda "de acordo com o Regulamento do Licenciamento de Clubes para as Competições de Clubes da UEFA, a Federação Portuguesa de Futebol deve, até ao dia 30 de novembro do ano anterior ao da época a licenciar, remeter a todas as sociedades desportivas, a documentação necessária para a inscrição do processo de licenciamento".

Na nota publicada no Facebook, o Aves refere que apenas a 5 de dezembro, "cinco dias após o prazo estabelecido pelo regulamento", recebeu a notificação onde a FPF considera o dia 20 de dezembro como "prazo limite de inscrição no processo em referência".

"Esta inscrição é absolutamente obrigatória para poder aceder ao processo de obtenção de licença para a participação em competições de clubes da UEFA. Permita-nos recordar que só a detenção de uma licença permite a um clube participar em qualquer das competições da UEFA na próxima época, independentemente da classificação final que venha a obter na I Liga durante a corrente época.
Ficamos ao dispor para todos os esclarecimentos que entendam necessário e para prestar a colaboração necessária ao sucesso da vossa inscrição", podia ler-se, segundo o comunicado do Aves, na notificação da FPF.

O Desportivo das Aves creditou que "aquela norma apenas se aplicaria ao licenciamento através da posição ocupada no Campeonato e não no que à Taça de Portugal dizia respeito, uma vez que em nenhum momento esta competição é mencionada".

O clube não deu resposta e a FPF "insistiu com nova comunicação". "Face ao resultado obtido frente ao Rio Ave FC (a 10.01.2018), e em virtude da possibilidade de o CD Aves chegar à final da Taça de Portugal, o clube contactou a FPF expondo-lhe a sua posição e interpretação relativamente à comunicação recebida, bem como à inaplicabilidade do regulamento à situação em concreto".

A FPF terá "assumido o compromisso de solicitar parecer da UEFA relativamente à situação" e foram feitos vários contactos entre clube e FPF.

O Aves manteve sempre "absoluta convicção" de que tudo estava a ser tratado. "Foi, portanto, com enorme surpresa que, aquando do contacto da FPF a três dias da final do Jamor, com o propósito de adiar o jogo, que recebemos a informação de que o CD Aves - Futebol SAD não estaria ilegível para obter o licenciamento para as Competições Europeias na época 2018/2019", pode ler-se no comunicado.

"De imediato foi novamente explicada à FPF a posição da nossa sociedade desportiva e, apesar da estupefação, o CD Aves - Futebol SAD, face aos acontecimentos ocorridos naquela semana, e em prol dos interesses superiores de segurança associados ao jogo da final, mostrou-se recetivo a aceitar o adiamento do jogo da Final da Taça de Portugal para agosto, ainda que, essa situação colocasse em causa a participação da nossa sociedade desportiva nas competições europeias na próxima temporada. Tendo o jogo da final ocorrido na data aprazada, CD Aves - Futebol SAD confiou que o processo de licenciamento seria, como sempre nos foi indiciado, finalizado", acrescenta o comunicado.

Os responsáveis ficaram descansados quando o clube apareceu oficializado no site da UEFA, o que não fazia prever as notícias que foram tornadas públicas.

"O assunto está entregue ao departamento jurídico do CD Aves - Futebol SAD com a certeza de que esta sociedade desportiva tudo fará para honrar o seu nome e lutar pelos seus direitos que foram conquistados de forma notável em campo com a ajuda de todos os avenses que tanto nos apoiaram na conquista deste troféu ímpar na nossa história", conclui o clube.