Números Redondos

E se esta época houver quatro grandes?

Seria histórico para o futebol português se o Braga conseguisse juntar-se aos três grandes numa longa e emocionante discussão pelo título nacional, mas a verdade é que os principais dados do primeiro terço do campeonato (praticamente terminado) indicam que tal é mesmo possível.

Concluída a jornada 11 do campeonato nacional, estamos praticamente no final do primeiro terço da prova e dificilmente podemos escapar à ideia de que poderá haver uma disputa pelo título nacional a quatro, se não até final da Liga pelo menos até uma fase muito avançada da mesma.

É exatamente isso que os números nos dizem: entre o primeiro classificado FC Porto (27 pontos) e o quarto, o Benfica, há uma diferença de somente quatro pontos. Ora nos últimos 10 anos, apenas por uma vez a vantagem do líder para o quarto classificado foi tão reduzida à passagem do fim do primeiro terço da liga portuguesa. Aconteceu em 2011/12, quando à 10ª jornada (o campeonato tinha nessa altura 30 jornadas), o Benfica estava na frente, com 24 pontos, sendo seguido por Porto e Sporting (ambos com 23 pontos) e Marítimo como 21.

Apesar disso, nesse campeonato, depressa Benfica e Porto se afirmaram como únicos candidatos reais ao título, acabando por o discutir entre si, com vantagem final da equipa treinada por Vítor Pereira.

Acontece que a consistência competitiva do Braga na presente temporada, assim como nas mais recentes (desde 2014/15 que termina sempre nos quatro primeiros lugares) e o crescimento claro do Sporting nas últimas semanas, fazem crer que podemos estar perante o mais alargado conjunto de reais candidatos ao título em muitas décadas, o que seria extremamente positivo para o próprio futebol português. Claro, que é demasiado cedo para se ter algum tipo de certezas, mas nunca os dados apontaram tanto na direção desta possibilidade.

Até nos confrontos diretos o equilíbrio tem sido a nota dominante: o Porto venceu o Braga no Dragão e perdeu na Luz; o Sporting empatou na Luz e perdeu em Braga, Benfica empatou com o Sporting e venceu o Porto (em ambos os casos, na Luz). E inclusive a liderança isolada do Porto é conseguida à custa de enorme esforço e alguma sorte, dado que este venceu os seus dois últimos encontros com golos nos minutos finais (em casa frente ao Braga, aos 88, e no Bessa aos 90+5). Sem esses quatro pontos árdua e dramaticamente conquistados, os portistas estariam em terceiro lugar a par do Benfica.

Em termos estatísticos também há maior proximidade entre os quatro primeiros do que aconteceu em épocas anteriores: para a OPTA, uma das maiores empresas de recolha e análises de dados, os ratings globais (resultante de um algoritmo que tem em conta as principais variáveis de análise) dos melhores conjuntos do campeonato são: Porto, 7.09; Benfica, 6.95; Braga, 6.94; Sporting, 6.90.

Mesmo em termos individuais, os melhores ratings de jogadores estão muito bem divididos por quatro equipas, ao contrário do que foi habitual nas ligas mais recentes, nas quais os jogadores do Porto e do Benfica dominavam quase por completo. Na atual liga, estes são os 10 primeiros: Pizzi (Benfica), 7.72; Bas Dost (Sporting), 7.62; Dyego Sousa (Braga), 7.61; Alex Telles (Porto), 7.60; Bruno Fernandes (SCP), 7.58; Éder Militão (FCP), 7.44; Rafa (SLB), 7.44; Nani (SCP), 7.43; Felipe (FCP), 7.41; Marcelo Goiano (SCB), 7.41.

E note-se, por exemplo, que o jogador mais influente do campeonato é do Braga, Dyego Sousa, que além de melhor marcador da prova (sete golos), já realizou três assistências. Aliás, merece referência o facto dos "Guerreiros do Minho" terem três jogadores entre os dez mais influentes na Liga, com Wilson Eduardo e Ricardo Horta a juntarem-se a Dyego Sousa neste ranking.

Também significativo é o facto de entre as principais ligas europeias (que estão todas um pouco mais adiantados no calendário relativamente à portuguesa), apenas na espanhola se regista grande proximidade pontual entre os quatro primeiros posicionados, com os mesmos quatro pontos a separarem o líder (Barcelona) do quarto, o Alavés (que tem mais um ponto que o Real Madrid). Em França a diferença do líder PSG para o quarto é de 16 pontos (e de 14 para o segundo!); na Alemanha o Borussia de Dortmund tem mais sete pontos do que o segundo e mais nove do que o quarto (o Bayern); na Itália a Juventus lidera com vantagem de oito pontos para o mais direto perseguidor e de 15 para o quarto, e finalmente em Inglaterra, o Manchester City possui mais dois pontos do que o Liverpool e mais oito do que o quarto classificado.

  COMENTÁRIOS