apuramento Mundial 2018

Depois da mão de deus, a mão do bruxo Manuel

A Associação de Futebol da Argentina recorreu a um bruxo para o derradeiro jogo que deu o apuramento. Messi marcou três golos, mas o presidente da AFA diz que Manuel Valdez teve muita influência.

Messi pegou ao colo um país inteiro com as mãos, enquanto com os pés empurrava a bola para a baliza do Equador, para colocar a sua seleção no próximo Campeonato do Mundo. O camisola 10 e capitão inventou três golos e transformou-se no destinatário de milhares de cartas de amor, através de 140 carateres no Twitter, de artigos ou primeiras páginas de jornais. Uma ou outra publicação escreveu até, em letras garrafais, "Graças a Deus".

Foi a redenção do herói, a gratidão de um povo. O guião foi escrito com palavras duras, sem mel, com a atração do abismo em forma de faminto sedutor, mas com o final do costume. As palavras juntavam-se como quem baila, alegres por darem essa notícia ao mundo: Messi e a seleção de Kempes e Maradona estarão no Mundial. Dale!

Quando nada parecia saber roubar protagonismo ao génio mais genial da América do Sul (do planeta?), à missão complicada de Jorge Sampaoli e ainda ao monstro vencido que mordia a cabeça dos jogadores, eis que agora se sabe que a Associação de Futebol da Argentina (AFA) recorreu a um bruxo para a derradeira jornada. Senhoras e senhores, Manuel Valdez:

"Fiz as minhas coisas, o que tinha de fazer, e fui para a tribuna", começou por dizer à imprensa local o bruxo Manuel, já na sua terra depois da viagem a Quito, aqui citado pelo Clarín. Foi isso mesmo, chegou atempadamente e tranquilamente ao estádio Atahualpa, nem viu os jogadores. Manuel Valdez costuma ser associado ao Estudiantes e há quem diga que teve influência na conquista da Libertadores em 2009, conta o mesmo jornal.

Segundo o Clarín, terá sido Sebastián Verón, o presidente do Estudiantes, que curiosamente goza da alcunha "La Bruja", que terá feito o contacto com a AFA.

"Havia energia negativa. (...) Dei uma mão à Argentina porque estava mal." Isso mesmo, depois da mão de deus em 1986, a mão de Manuel em 2017. E continua: "Havia umas coisas feitas que não permitiam fazer golos. Eu destravei isso e nada mais, pronto".

O mais surpreendente é porventura a declaração de Claudio Tapia, o presidente da AFA, que coloca Valdez na mesma página do capitão da seleção. "Teve mais a ver com Messi [o apuramento], mas ele [o bruxo] teve muito que ver."

  COMENTÁRIOS