Crise no Sporting

Do pedido de ajuda à perseguição. GNR descreve ataque à Academia

O que aconteceu em Alcochete? GNR descreve operação que envolveu mais de cem militares.

A primeira chamada chegou às 17h06. A Direção da Academia do Sporting Clube Portugal pediu ajuda à GNR depois da invasão das instalações da Academia do clube por um grupo de adeptos, que alegavam querer falar com os membros da equipa técnica e jogadores.

Os elementos da segurança privada não conseguiram impedir a entrada forçada do grupo, que acabou por entrar na Academia "sem qualquer tipo de consentimento ou autorização", conta a GNR em comunicado. Foram mobilizadas de imediato patrulhas para o local.

Às 17h15 nova chamada. A Direção do Clube voltou a contactar a GNR para dizer que os homens estavam encapuçados e que já tinham ameaçado, coagido e agredido fisicamente jogadores e elementos da equipa técnica da equipa principal.

Ao chegar à Academia, pelas 17h20, a GNR montou barreiras policiais nas estradas de acesso. Foram detetados três carros nas imediações, "tendo uma delas quase abalroado a barragem montada e invertido a sua marcha, iniciando a fuga".

Os militares perseguiram os carros em fuga e conseguiram intercetar um deles. Cinco suspeitos foram de imediato detidos e a viatura revistada.

Com o reforço de patrulhas, foram intercetados mais quatro carros nas imediações, tendo os militares detido mais 18 suspeitos.

Simultaneamente, vários meios da GNR de Investigação Criminal iniciaram diligências de preservação e recolha de prova na Academia, com recurso a especialistas forenses.

No total estiveram mobilizados mais de 100 militares, do Comando Territorial de Setúbal, da Unidade de Intervenção e da Direção de Investigação Criminal. A operação foi ainda apoiada, em matéria de informação criminal, pela Polícia Judiciária e Polícia de Segurança Pública.