Primeira Liga

Duas viagens, mil quilómetros e dois pontos perdidos. Portimonense 1-1 Braga

Veja os golos. Bracarenses deixam segundo lugar do campeonato ao alcance de Benfica e Sporting.

PUB

Portimonense e Braga abriram a 17.ª jornada da Primeira Liga de futebol, a última da primeira volta do campeonato, com um empate no Algarve. Depois de Sporting e Benfica, também os "Gverreiros do Minho" não conseguiram sair de Portimão com uma vitória, deixado o segundo lugar à mercê de Benfica e Sporting.

De Braga a Portimão vão mais de 550 km, uma viagem que amolece qualquer um. Talvez assim se explique a forte entrada dos anfitriões frente aos bracarenses. Se Paulinho até chegou a ameaçar logo ao minuto dois, foram os algarvios quem mostrou que mais do que ameaçar, é preciso ser eficaz.

Numa variação de flanco, Wellington recebe um passe a partir da direita e tira Goiano do caminho. Na esquina da área, o extremo brasileiro rematou forte e à flor da relva, algo a que Tiago Sá não achou piada. O guarda-redes bracarenses aborda mal o lance e deixa a bola escapar para o interior da baliza à sua guarda, colocando o Portimonense em vantagem.

A resposta bracarense surgiu pelos pés do mesmo homem que quis começar o jogo a dar um pontapé no cansaço que atravessar o país de norte a sul causa. Paulinho encontrou espaço entre os centrais algarvios mas, à saída de Ricardo Ferreira, não foi capaz de empatar a partida. A atitude mais ofensiva dos bracarenses trazia, no entanto, um outro problema: Raul Silva e Bruno Viana defendiam quase em cima da linha de meio-campo, o que dava espaço aos algarvios para ensaiar contra-ataques. Mas não havia Nakajima. E quem não tem Shoya, caça com Jackson.

O colombiano já não tem o fulgor da passagem pelo FC Porto, mas tal não retira a obrigação de o vigiar de perto. Prova disso é o espaço que ganhou, aos 22 minutos, nas costas dos centrais bracarenses: Jackson recebeu a bola pelo ar e em três largos passos colocou-se à frente de Tiago Sá. Na hora de fazer o chapéu, falhou a baliza por poucos milímetros.

O jogo tomava uma toada repetitiva. Os bracarenses atacavam mais e em maior número, mas os homens da casa eram quem o fazia com mais critério. Dyego Sousa e Paulinho, apesar de serem os destinatários de muitos dos cruzamentos da equipa de Abel Ferreira, não conseguiam encontrar o caminho da baliza. Já Jackson, no seu deambular solitário mas potencialmente letal, ia relembrando os minhotos de que o espaço nas suas costas era demasiado.

O intervalo chegou com muitos remates, alguns à baliza, e nenhum (além do de Wellington) a acabar dentro da baliza. Quem não chegou ao intervalo foi Abel, expulso na sequência de um fora-de-jogo tirado a Sequeira aos 37 minutos.

Sem treinador, o Braga voltou do intervalo com vontade de mudar o rumo do jogo, algo que colocou em prática logo no arranque do segundo tempo. Na sequência de um pontapé de canto batido do lado direito do ataque, Dyego Sousa cabeceou para o fundo da baliza dos homens do Algarve, fazendo o 1-1 aos 47 minutos. É o 12.º golo do jogador no campeonato.

O brasileiro chegou cheio de vontade de mudar o rumo do jogo, tanto que aos 53 minutos voltou mesmo a introduzir a bola na baliza. O golo foi anulado de forma instantânea pela equipa de arbitragem, por fora-de-jogo, consequência de uma armadilha bem montada pela equipa de António Folha.

Ultrapassado o forcing do Braga, principalmente a partir do momento em que o Portimonense conseguiu recuperar o controlo da bola, o jogo voltou a ser jogado na mesma toada da primeira parte: bola vai, bola vem. Jackson continuava à procura do golo e, aos 65 minutos, falhou-o por milímetros depois de ter cabeceado uma bola cruzada por Paulinho.

Em campo estava um dos reis dos remates do meio da rua, João Novais. O médio ex-Rio Ave demorou quase 74 minutos a dar um ar da sua graça mas, quando o fez, não passou despercebido. O 17 dos bracarenses rematou ainda de fora da grande área e obrigou Ricardo Ferreira a voar para impedir a reviravolta no marcador.

Até ao final da partida não houve alteração no marcador e certo é que em Portimão já caíram Sporting e Benfica (ambos com derrotas) e agora o Braga, que empatou. Falta agora fazer mais 550 km na viagem de volta de "barriga vazia".

Onze do Portimonense: Ricardo Ferreira, Tormena, Jadson, Rúben Fernandes, Manafá, Wellington, Ewerton, Pedro Sá, Paulinho, Jackson e Dener

Onze do Braga: Tiago Sá, Goiano, Raul Silva, Bruno Viana, Sequeira, Fransérgio, Claudemir, João Novais, Wilson, Dyego Sousa e Paulinho

Wellington marcou o primeiro golo do jogo aos 3 minutos.

Dyego Sousa empatou aos 47 minutos.

Do lado dos algarvios, Nakajima está indisponível devido a lesão.

Suplentes do Portimonense: Leo, Lucas, Hackman, Tabata, João Carlos Fernandes e Jamerson

Suplentes do Braga: Marafona; Ryller; Eduardo; Murilo; R. Horta; R. Esgaio e Palhinha

O jogo foi arbitrado por Fábio Veríssimo, assistido no VAR por João Pinheiro.

  COMENTÁRIOS