Crise no Sporting

"Mantenham a calma". O apelo de José Roquette aos sportinguistas

Ex-presidente leonino apela à calma dos adeptos e fala em "percalços que podem acontecer". Foco, diz José Roquette, deve ser o jogo do próximo domingo.

"Keep calm and carry on". O cartaz motivacional criado pelo governo inglês em 1939 serve de inspiração ao ex-presidente do Sporting para passar uma mensagem de tranquilidade aos sportinguistas. À TSF José Roquette apela aos adeptos leoninos que "mantenham a calma" e lembra que "o Sporting é uma grande instituição".

Presidente do Sporting entre 1996 e 2000, José Roquette já veio publicamente criticar várias vezes Bruno de Carvalho. Desta vez, e perante a gravidade dos incidentes em Alcochete, Roquette tenta meter alguma água na fervura e pede aos sócios que "façam uma demonstração de união no próximo domingo" para o jogo da Final da Taça de Portugal que o Sporting tem com o Desportivo das Aves.

"Percalços no caminho podem acontecer", lembra o ex-dirigente e empresário, acrescentando que só com união é possível, "nas circunstâncias atuais, nós os sportinguistas, orgulharmo-nos".

A reação de José Roquette surge depois do ataque de um grupo de adeptos à equipa técnica e jogadores do Sporting, esta terça-feira em Alcochete e que foi também condenada e... relativizada pelo presidente do clube, Bruno de Carvalho.

"Quero que os sportinguistas tenham calma. Este tipo de acontecimentos têm de ser vividos com tristeza, mas sinceramente este é um ato que está a ser tratado pela polícia", disse Bruno de Carvalho, que lamentou o que aconteceu, mas relativizou o caso.

"Foi chato ver os familiares dos jogadores ligarem preocupados, do staff, os meus próprios pais, a minha mulher, as minhas filhas. As pessoas ficam preocupadas, mas felizmente as coisas estão a correr dentro da normalidade. Amanhã é um novo dia, temos de nos habituar que isto faz parte do dia-a-dia, o crime faz parte do dia-a-dia e o crime tem de ser punido no sítio certo, no momento certo", explicou.

Um caso triste, mas um caso de polícia, defendeu o presidente do Sporting, que deixou acusações ao governo. Para Bruno de Carvalho, a tutela é culpada por nada ter feito para prevenir casos como o que aconteceram em Alvalade.

"As entidades que tutelam o desporto, nestes momentos, não devem tirar aproveitamento para atacar o Sporting e o seu presidente, mas sim tirar ilações da sua inércia. Pode não ser isto especificamente, mas há muita coisa que se passa de violência que, por inércia das entidades que tutelam, vão-se mantendo. Já disse isto várias vezes - nós vamos deixando as pessoas andar e acontecem situações destas. E a tutela não pode deixar de assumir as suas responsabilidades, porque as tem e muito".

Acusações feitas depois da reação do governo. Horas depois dos incidentes em Alcochete, o secretário de Estado do Desporto e a secretária de Estado Adjunta da Administração Interna reagiram ao caso. Numa declaração conjunta, João Paulo Rebelo e Isabel Oneto repudiaram a violência na Academia do Sporting e garantiram a segurança na final da Taça de Portugal, entre o Sporting e o Desportivo das Aves, marcada para o próximo domingo.

Antes, na entrevista à Sporting TV, Bruno de Carvalho garantiu que a equipa vai marcar presença na final da Taça. De acordo com o presidente, num primeiro momento os jogadores reagiram a quente, "em estado de choque", mas entretanto acalmaram.

"Claro que vamos estar no Jamor. Muita gente não queria, mas claro que vamos estar no Jamor e claro que vamos jogar e que os jogadores estão tristes com o que aconteceu, mas querem jogar", afirmou.

Centenas de adeptos do Sporting concentraram-se junto ao estádio, ao final da noite, para condenar a violência na academia de Alcochete. Os adeptos entoaram cânticos de apoio ao Sporting e aos jogadores, pedindo a pacificação no clube e a demissão de Bruno de Carvalho.