CD Estrela-Belenenses

O dia em que a Reboleira voltou a receber um clássico do futebol português

O futebol em estado puro. Estrela da Amadora e Belenenses frente-a-frente na reedição dos tempos modernos de um jogo que já fez parte do escalão máximo do futebol português. Este domingo, os dois tentaram regressar à ribalta. 0-0 foi o resultado.

O Belenenses era o líder do campeonato da I Divisão Distrital da Associação de Futebol de Lisboa, mas perdeu pontos pela primeira vez em 12 jornadas decorridas. Coube ao Estrela da Amadora impor o primeiro desaire. Um empate sem golos, mas com muita emoção. Dez anos depois, os dois emblemas voltaram a encontrar-se com milhares e milhares de adeptos nas bancadas.

PUB

As cores são as mesmas. O Clube Desportivo Estrela com o tricolor (vermelho, branco e verde), o Clube de Futebol "Os Belenenses" traz do Restelo o azul. Cores que pintam um clássico com dezenas, muitas dezenas de anos de história.

"Hoje, efetivamente, é o repetir da história. É o repetir de um clássico antigo, o repetir de memórias que já vivemos antigamente e queremos voltar a viver", diz com tristeza José Silva de 64 anos. Mais ao lado está o pai, com 84 anos. "Quero partilhar a nossa grande vitória na Taça de Portugal. Vi os dois jogos da final contra o Farense e foi maravilhoso. Ganhou o Estrela com um grande golo do Paulo Bento."

Um triunfo que não é esquecido por José Mesquita que exibe uma fotografia com João Alves (treinador do Estrela da Amadora na altura). "Está aqui [aponta para a fotografia] a recordação da finalíssima da Taça de Portugal. Jogo em que vencemos por 2-0. Quem era o treinador do Farense era o Paco Fortes, do Estrela era o João Alves."

O estádio continua o mesmo. É o mítico e velhinho José Gomes, na Reboleira. Nas bancadas estão entre sete a oito mil adeptos. Há jogos da I Liga que nem 1.000 adeptos têm.

O relvado também é o mesmo, mas já conheceu melhores dias. O verde já quase o deixou de ser. E já não é pisado pelo Paulo Bento, pelo Jorge Andrade ou pelo Abel Xavier.

"Não esqueço as minhas raízes em termos desportivos. Marquei hoje aqui presença e espero ajudar o Estrela no futuro. Vieram-me memórias muito bonitas", recorda Abel Xavier, antigo jogador do clube da Amadora e ex-internacional português.

São memórias de ver Jorge Jesus, Fernando Santos ou João Alves aos pulos num banco que agora está mal tratado. O árbitro já não é Jorge Coroado ou António Garrido. E os relatos já não são transmitidos para todo o território nacional pelo Jorge Perestrelo, Artur Agostinho ou até por João Ricardo Pateiro. Agora, só a telefonia amadora transmite em direto, numa parceria com a Amadora TV.

Um Dia de Reis em grande, em que no final ninguém ficou triste. 0-0 foi o resultado num jogo em que nas bancadas não faltou o fair-play.
O Belenenses até jogou melhor. Dominou quase todo o encontro, mas não foi capaz de marcar. Pela primeira vez, os azuis do Restelo perderam pontos.

O Belenenses lidera o campeonato da I Divisão Distrital da Associação de Futebol de Lisboa com mais 10 pontos do que o Estrela, que segue no meio da tabela.

Recorde as reportagens TSF sobre as duas equipas:

- O Estrela quer voltar a brilhar na I Liga. É o regresso do futebol sénior à Amadora

- Começar do zero quase 100 anos depois. A nova vida d'Os Belenenses

  COMENTÁRIOS