Futebol

Uma seleção feminina de futebol mais forte do que nunca

É desta forma que o selecionador português vê a participação no Europeu da Holanda. Regressadas a Lisboa as jogadoras consideram que alcançaram um lugar na história do futebol feminino em Portugal.

Foram as primeiras a conseguir a presença numa fase final de um Europeu e isso foi reconhecido pelos poucos adeptos que estavam à espera no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

A chegada da seleção feminina de futebol teve poucos aplausos mas a palavra orgulho chegou através do selecionador: "o reconhecimento que fomos recebendo dos portugueses é algo que a todos nos orgulha e nos engrandece naquilo que acabámos por fazer".

Francisco Neto avaliou como "muito boa" a participação de Portugal na competição e assegurou que a sua seleção poderá ser melhor no futuro.

"Muito boa prestação. Uma equipa com média de idades de 23 e 24 e isso deixa algo que poderá ser ainda melhor no futuro. É para isso que vamos trabalhar. De certeza absoluta que vamos regressar mais fortes e hoje sentimos que somos mais equipa do que quando entramos [no campeonato da Europa]", explicou.

Já a experiente jogadora e capitã da equipa da equipa das 'quinas' Cláudia Neto destacou o feito alcançado com a primeira participação de Portugal num Europeu, bem como a qualidade que apresentaram nos três encontros disputados na Holanda.

"Lutámos muito para chegar até aqui. Felizmente conseguimos e demos tudo em campo. Esta equipa está de parabéns. Houve muito espírito de sacrifício, de entre ajuda, muita entrega e demonstrámos, mais uma vez, que somos uma equipa que tem muita qualidade", argumentou.

A atleta que joga nos suecos do Linkoping revelou também que "lutaram ainda mais pelo golo da igualdade" diante de Inglaterra, quando souberam que a Espanha estava a perder com a Espanha, uma vez que o empate seria suficiente para as portuguesas seguirem para os quartos-de-final.

Por sua vez, a melhor marcadora portuguesa no Euro2017, com dois golos, manifestou um sentimento misto de alegria e tristeza.

"Tivemos quase a fazer outro feito e era muito bom se tivéssemos conseguido. Estamos contentes, mas com um sabor amargo porque foi quase. [A nossa presença] Foi muito mérito nosso, da nossa equipa técnica, da federação e dos clubes, que estão a apostar no futebol feminino. Só teremos a ganhar com isso e melhores resultados virão", concluiu Carolina Mendes.