Jesus no caminho para a glória eterna do Flamengo

Quando Zico levantou a Taça dos Libertadores há 38 anos, depois de uma final frente ao Cobreloa do Chile, os adeptos do Flamengo não sabiam que teriam de esperar quase quatro décadas para regressar ao jogo decisivo da maior prova de clubes da América do Sul. Este sábado dizem presente, e o "culpado" chama-se Jorge Jesus.

O Flamengo vai jogar na cidade de Lima, no Peru, a final 2019 da Taça dos Libertadores, frente ao River Plate. Brasileiros e argentinos em busca do ouro, à procura da consagração. O Fla, com o timoneiro Jorge Jesus, em estreia na prova, frente ao experiente Marcelo Gallardo, o campeão em título ao serviço dos "milionários".

O treinador português, natural da Amadora, tem 65 anos e procura este sábado fazer história no Flamengo, no futebol brasileiro mas também no futebol luso. Jorge Jesus pode tornar-se no primeiro técnico de nacionalidade portuguesa a vencer a Taça dos Libertadores, uma competição fora do continente europeu.

Artur Jorge, José Mourinho, André Villas-Boas e Manuel José são os treinadores portugueses que já conquistaram provas continentais. Os três primeiros na Europa, enquanto Manuel José, atualmente com 73 anos, foi "rei e senhor" na cidade do Cairo onde conquistou ao serviço do Al-Ahly quatro Liga dos Campeões da CAF.

Agora Jorge Jesus pode bater à porta deste pequeno grupo, e logo ao serviço do Flamengo que é um dos clubes com mais adeptos em todo o mundo.

Jorge Jesus tem 65 anos, e mais de metade foram passados ao serviço do futebol. Orgulhoso das suas raízes, nasceu e foi criado na Amadora, e diz "que fala à lisboeta". Foi um médio que jogou no Sporting, regressando mais tarde como treinador.

Do Amora para o mundo, o treinador Jorge Jesus

A carreira de técnico teve início na margem sul do rio Tejo. Na temporada 1989-90 começou a treinar o Amora. Conseguiu levar o clube do concelho do Seixal à Liga de Honra. Seguiram-se Felgueiras, U. Madeira, Estrela da Amadora, V. Setúbal, V. Guimarães, Moreirense, União de Leiria, Belenenses e SC Braga. Depois chegaram os títulos, e o Benfica foi buscar JJ.

De 2009 até 2015 Jorge Jesus, de águia ao peito, conquistou dez títulos; três campeonatos, uma Taça de Portugal, uma Supertaça e cinco Taças da Liga. Falhou uma conquista europeia, quando atingiu por duas vezes a final da Liga Europa. A primeira final perdeu contra o Chelsea na cidade de Amesterdão; depois perdeu frente ao Sevilha, no encontro de Turim.

Foram seis anos de glória no Benfica, mas surgiu uma mudança polémica para Alvalade. Jorge Jesus aceitou o convite de Bruno de Carvalho para treinar o Sporting. Em três anos falhou o campeonato, mas ainda conseguiu levantar uma Taça da Liga e uma Supertaça, logo no primeiro jogo de reencontro com o Benfica.

Jorge Jesus sempre foi um técnico "caseiro"; sempre admitiu que gostava de continuar a treinar em Portugal. As portas estavam fechadas nos clubes grandes, e aceitou um convite das "arábias". Por poucos meses, é certo, mas foi treinador do Al-Hilal da Arábia Saudita. Não quis acabar a temporada e rescindiu o contrato. O Flamengo espreitou, conversou e agarrou Jorge Jesus.

Vendaval Jorge Jesus no futebol brasileiro

O Flamengo está perto de conquistar dois títulos: aTaça dos Libertadores e o Brasileirão. Jorge Jesus já orientou os jogadores do Fla em 33 jogos, onde conseguiu 23 vitórias, oito empates e apenas duas derrotas. O Flamengo é uma máquina de fazer golos, com a liderança de Jorge Jesus; são 71 golos marcados em todos os 33 jogos.

O "Mengão" já leva uma série de 25 encontros sem perder. A última derrota aconteceu no reduto do Bahia, no dia 4 de agosto, onde o Flamengo perdeu por 3-0. Depois ninguém parou Jorge Jesus.

O Flamengo apresenta um futebol atraente, veloz e que fez nascer na cidade do Rio de Janeiro, junto dos adeptos do clube, uma autêntica legião de fãs. "Jorge Jesus a presidente", "olé, olé mister"... são algumas das frases que mais se ouvem durante os jogos do Flamengo.

Os jogadores do Fla estão sempre a elogiar o treinador. Mas os elogios também surgem de antigos jogadores, jornalistas e comentadores de futebol, menos dos treinadores brasileiros, que estão a perder terreno no campeonato. Não é raro em conferências de imprensa surgirem opiniões de colegas de profissão de que Jorge Jesus não inventou nada. O português responde: "Vim para o Brasil para trabalhar e não para roubar o trabalho a ninguém, tenham calma." Palavra de Jesus.

Encontro em Lima, para Flamengo enfrentar o River Plate

Agora segue-se o campeão em título da Taça dos Libertadores, o River Plate. O clube argentino já conquistou quatro vezes esta prova sul-americana, duas nos últimos quatro anos. Um dos clubes históricos de Buenos Aires, o River Plate tem um treinador experiente e vitorioso, Marcelo Gallardo, que já está à frente dos "milionários" há cinco anos.

O River Plate tem várias estrelas do futebol sul-americano, e duas até já passaram por Portugal. Enzo Peréz foi treinado por Jorge Jesus no Benfica e Juan Quintero foi adversário no FC Porto. Mas Jorge Jesus também conta com Gabigol, que teve uma passagem fugaz pelo Benfica, e Diego, antigo médio dos dragões.

Os "craques" do treinador português não ficam por aqui. Diego Alves, Rafinha, Filipe Luís, De Arrascaeta e Bruno Henrique são alguns exemplos. Para além dos jogadores que JJ conseguiu em poucos meses colocar no radar dos tubarões europeus, com impressionantes subidas de forma. Que o digam os centrais Rodrigo Caio e Pablo Mari ou mesmo os médios Gerson e William Arão.

E se o Flamengo vencer a Taça dos Libertadores, a história começa novamente a bater à porta do "Mengão". Porque a vitória na América do Sul dá o bilhete de acesso ao Mundial de Clubes, onde já está por exemplo o Liverpool, vencedor da Liga dos Campeões. E não é que da última vez que o Flamengo venceu a Libertadores, meses depois, bateu o Liverpool na final da Taça Intercontinental?

Foi em dezembro de 1981, numa final que o Fla venceu por 3-0. O Mundial de Clubes este ano vai decorrer em Doha, no Qatar, durante o mês de dezembro.

80 mil "almas do futebol", é a capacidade do Estádio Monumental de Lima

Um palco de luxo para a final entre Flamengo e River Plate. O Estádio Monumental de Lima tem capacidade para 80 mil espetadores. A capital peruana recebe o jogo decisivo pela primeira vez desde a criação da prova em 1960, depois da decisão da Conmebol de não organizar o jogo em Santiago devido à crise social no Chile.

O jogo é considerado de alto risco, com a presença em Lima de milhares de adeptos do Flamengo e do River Plate, e quando se sabe que a rivalidade no futebol, entre os dois povos, é uma das maiores do mundo. A Polícia da capital do Peru assegurou que vão estar destacados para este jogo mais de quatro mil agentes de autoridade com direito a helicópteros e drones.

Falta apenas o apito inicial do árbitro chileno Roberto Tobar para se começar a jogar este sábado às 20h00 uma das finais mais esperadas dos últimos anos, e com um português em destaque, o Jorge, nunca professor, mas sim o míster.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de