Jogadores do Valência abandonam relvado por alegados insultos racistas

Francês Diakhaby foi admoestado com um cartão amarelo e esteve alguns segundos a explicar ao árbitro o que tinha acontecido, antes de se retirar de campo.

Os futebolistas do Valência abandonaram este domingo o terreno de jogo no embate com o Cádiz, em protesto por alegados insultos racistas dirigidos por Juan Cala ao central valenciano Mouctar Diakhaby, interrompendo o encontro durante quase meia hora.

Decorria o minuto 29 do encontro no Estádio Ramón de Carranza, quando, na sequência de um livre a favor do Cádiz, Cala e Diakhaby trocaram argumentos dentro da área valenciana, levando, posteriormente, o central francês a percorrer meio-campo para interpelar o adversário.

Depois de os jogadores das duas equipas terem separado Cala e Diakhaby, o francês foi admoestado com um cartão amarelo e esteve alguns segundos a explicar ao árbitro o que tinha acontecido, antes de se retirar de campo, acompanhado por todos os jogadores che, entre os quais os portugueses Thierry Correia e Gonçalo Guedes.

A equipa do Cádiz também seguiu o caminho dos balneários e o encontro esteve interrompido cerca de 20 minutos. Embora o Valência tenha regressado ao relvado para retomar o jogo, fê-lo já sem Diakhaby, que foi substituído por Hugo Guillamon.

"A equipa reuniu-se e decidiu voltar ao campo, para lutar por este emblema, embora se mantenha firme na condenação de qualquer ato de racismo, em todas as suas formas", publicou o clube valenciano, na rede social Twitter.

Por altura da interrupção, a partida da 29.ª jornada da Liga espanhola estava empatada 1-1, com Juan Cala, precisamente, a inaugurar o marcador para o Cádiz, aos 14 minutos, e Kevin Gameiro a repor a igualdade, aos 19, após assistência de Gonçalo Guedes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de