Justiça suíça acusa presidente do PSG e antigo responsável da FIFA de gestão danosa

O Ministério Público da Suíça acusa Al-Khelaifi de incitar Valcke "a cometer crime agravado de gestão danosa", enquanto o antigo dirigente do organismo que rege o futebol é suspeito de "vários crimes de gestão danosa agravada e falsificação de documentos".

O presidente do Paris Saint-Germain, Nasser al-Khelaifi, e o antigo secretário-geral da FIFA Jérôme Valcke foram acusados de gestão danosa pela justiça suíça, numa investigação sobre os direitos televisivos do Mundial de futebol.

O Ministério Público da Suíça acusa Al-Khelaifi de incitar Valcke "a cometer crime agravado de gestão danosa", enquanto o antigo dirigente do organismo que rege o futebol é suspeito de "vários crimes de gestão danosa agravada e falsificação de documentos".

Um terceiro acusado, que não é identificado, é indiciado por suborno e também por incitar Valcke a cometer atos de gestão danosa agravada.

Além liderar o bicampeão francês de futebol, Al-Khelaifi é o presidente do conselho de administração da cadeia televisiva do Qatar BeIN Sports e membro do comité executivo da UEFA.

O dirigente e empresário do Qatar negou estas ilegalidades em 2017 e 2019, quando foi inquirido neste procedimento criminal iniciado há três anos, que incidia em crimes de corrupção, pelo qual Al-Khelaifi já não é acusado, depois de ter chegado a um "acordo amigável" com a FIFA.

Em comunicado, o gabinete do Procurador-Geral suíço indica ter acusado Al-Khelaifi e Valcke no âmbito da "atribuição dos direitos televisivos de vários campeonatos do mundo e Taças das Confederações da FIFA".

Al-Khelaifi terá tentado influenciar a concessão dos direitos televisivos do Mundial, ao ceder a gratuitamente a Valcke a sua vivenda de luxo na Sardenha - cujo aluguer foi calculado em 1,8 milhões de euros.

O dirigente está ainda implicado numa outra investigação sobre corrupção, mas pela justiça francesa, quanto aos direitos de transmissão dos Mundiais de atletismo de 2019, que foram disputados em Doha.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de