Ministro húngaro considera "patético" castigo à Hungria de jogos à porta fechada

Em causa está o "comportamento discriminatório" dos seus adeptos nos jogos com Portugal, França e Alemanha.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria, Péter Szijjártó, considerou este sábado que a decisão da UEFA de punir a seleção magiar com três jogos à porta fechada pelo comportamento dos adeptos no Euro 2020 de futebol é "patética e cobarde".

"A comissão que tomou essa decisão é uma entidade patética e cobarde. Que eles tenham vergonha", referiu Péter Szijjártó, numa mensagem divulgada nas redes sociais.

O órgão de controlo, ética e disciplina da UEFA - União das Associações Europeias de Futebol ordenou à Federação Húngara de Futebol que jogue os seus próximos três jogos das competições da UEFA como anfitriã à porta fechada, sendo o terceiro deles suspenso por um período probatório de dois anos a contar da data da decisão.

Em causa está o "comportamento discriminatório" dos seus adeptos nos jogos com Portugal, França e Alemanha.

A federação magiar foi ainda punida com uma multa de cem mil euros.

"Parece que a UEFA continuará a empregar os mesmos trabalhadores de sempre, que não têm nada a fazer senão escrever relatórios sobre quem disse (ou não disse) o quê nas bancadas. Tal como no comunismo: não são necessárias provas, apenas o relatório do denunciante", disse o líder da diplomacia húngara.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de