"Não sou e nunca serei racista." Rafael Ramos detido por alegados insultos

Foi o Corinthians, clube treinado pelo português Vítor Pereira, que pagou a fiança a Rafael Ramos, na ordem dos 10.000 reais (1.900 euros).

O futebolista português Rafael Ramos, do Corinthians, foi detido esta madrugada pela polícia de Porto Alegre, por alegados insultos racistas ao jogador do Internacional Edenilson, mas saiu sem liberdade após pagamento de uma fiança.

"O jogador foi preso por um crime de injúria racial, mas como pagou uma fiança vai responder por esse crime em liberdade. Se ele não pagasse essa fiança, seria levado para a prisão", informou aos jornalistas Carlos Butarelli, delegado da polícia federal de Porto Alegre, na sequência da queixa apresentada por Edenilson, que acusou o lateral luso de lhe chamar "macaco".

De acordo com a imprensa brasileira, foi o Corinthians, clube treinado pelo português Vítor Pereira, que pagou a fiança a Rafael Ramos, na ordem dos 10.000 reais (1.900 euros).

O encontro de sábado entre Internacional e Corinthians, da sexta jornada do campeonato brasileiro, que terminou empatado 2-2, esteve interrompido durante aproximadamente cinco minutos no decorrer da segunda parte, depois de, numa disputa de bola, o médio do Internacional Edenilson ter alegado que Rafael Ramos lhe dirigiu um insulto racista.

Na sequência do incidente, o técnico Vítor Pereira acabou por substituir o jogador contratado em abril ao Santa Clara, que, após a partida, assegurou que tudo se tratou de um "mal-entendido", negando ter proferido quaisquer insultos racistas.

"Foi puramente um mal-entendido entre mim e o Edenilson. No fim do jogo, fui ter com ele e tivemos uma conversa tranquila, expliquei-lhe o que tinha acontecido, ele explicou o que entendeu. Expliquei a verdade, o que eu disse. Ele estava com receio de passar por mentiroso, eu disse-lhe que ele não é mentiroso, simplesmente percebeu as palavras erradas. Apertámos as mãos e desejei-lhe boa sorte. Foi isso que aconteceu", disse o lateral luso, aos jornalistas, após a partida em Porto Alegre.

Mais tarde, numa publicação na rede social Instagram, Rafael Ramos voltou a abordar o incidente.

"Não fui, não sou e nunca serei racista. Sempre me pautei por uma postura correta em toda a minha carreira e não iria ser de outra forma agora. Que este caso tenha servido para que este tema seja novamente levantado e que possamos todos reafirmar: Racismo, não", escreveu o lateral direito, de 27 anos.

Já o médio Edenilson, capitão' do Internacional, saiu do Estádio Beira-Rio sem prestar declarações aos jornalistas, mas acabaria por abordar a situação igualmente através das redes sociais.

"Eu procurei o atleta [Rafael Ramos], para que ele assumisse e me pedisse desculpas. Afinal, todos erramos e temos o direito de o admitir. Mas o mesmo [jogador] continuou a dizer que tinha entendido errado. Eu não entendi errado. Procurei-o para que ele tivesse a oportunidade de se redimir. Independentemente da nossa cor, o caráter sempre falará mais alto. Enfim, peço desculpas por não estar preparado para reagir a algo deste género", expressou no Instagram.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de