Pequim cria bolha sanitária em redor dos locais dos Jogos Olímpicos de Inverno

A China, onde o coronavírus foi detetado pela primeira vez no final de 2019, erradicou amplamente a doença.

A bolha sanitária anti-Covid-19 foi implantada esta terça-feira em torno dos locais dos Jogos Olímpicos de Inverno Pequim2022, um mês antes do início do evento que promete ser o mais vigiado na era da pandemia.

A China, onde o coronavírus foi detetado pela primeira vez no final de 2019, erradicou amplamente a doença recorrendo a medidas de rastreio, contenção e vacinação muito rigorosas.

As fronteiras chinesas foram praticamente fechadas em março de 2020 e os voos internacionais drasticamente reduzidos.

A fim de acomodar os 3.000 atletas e equipas de apoio para os Jogos Olímpicos de Inverno, a decorrer de 04 a 20 de fevereiro, foi estabelecida uma 'bolha' sanitária em torno dos locais que vão receber as provas, para evitar qualquer contacto com a população local.

Esta terça-feira, esse circuito fechado foi oficialmente instituído, antes da chegada dos primeiros participantes estrangeiros.

As barreiras mantêm os transeuntes a uma distância segura das instalações previstas para os Jogos, como o Ninho de Pássaro, estádio Olímpico onde será realizada a cerimónia de abertura.

"Dentro do circuito fechado, vamos implementar medidas de saúde muito rígidas, incluindo testes diários, para garantir que os casos de contaminação sejam detetados rapidamente", explicou à agência France-Presse o diretor de comunicação do evento, Zhao Weidong.

Todos os participantes estrangeiros devem ser vacinados e os demais sujeitos a quarentena de 21 dias.

"Também recomendamos o recebimento de uma dose de reforço", disse Zhao Weidong, acrescentando que a organização está "a monitorizar de perto a nova variante Ómicron e o seu impacto global".

O responsável adiantou que o comité organizador local está em estreita comunicação com o Comité Olímpico Internacional (COI), "para garantir que haja espaço de manobra na aplicação das contramedidas em função da situação epidémica".

Os atletas e 'staff' chineses dentro da 'bolha' (voluntários, motoristas, cozinheiros) só partirão depois dos Jogos Paralímpicos (04 a 13 de março), após um período de quarentena.

Só serão permitidos espetadores residentes na China, que não entrarão na 'bolha'. Nas deslocações de um local para outro, os participantes estrangeiros permanecerão separados da população local, por exemplo, com carruagens reservadas no comboio de alta velocidade que leva às pistas de esqui.

LEIA AQUI TUDO SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de