Polícia ucraniana procura adeptos que dirigiram insultos racistas a Taison

Os incidentes ocorreram durante o jogo com o Dínamo de Kiev. O jogador brasileiro reagiu aos insultos racistas que recebeu da bancada, tendo sido expulso pelo árbitro.

As autoridades ucranianas procuram identificar e encontrar cerca de 20 adeptos do Dínamo de Kiev, como parte da investigação aos insultos racistas dirigidos ao futebolista Taison, do Shakhtar Donetsk, disse hoje a polícia da cidade de Kharkiv.

O médio brasileiro, orientado pelo português Luís Castro no Shakhtar, deixou o campo em lágrimas depois de reagir às palavras que lhe eram dirigidas das bancadas. O jogador efetuou um gesto obsceno em direção aos adeptos, pegou na bola e pontapeou-a para a bancada, tendo sido expulso pelo árbitro.

No final do encontro com o Dínamo de Kiev, em que Shakhtar venceu por 1-0, Luís Castro solidarizou-se com o futebolista brasileiro, considerando que "qualquer manifestação de racismo é inaceitável" e acrescentando que é preciso "lutar contra esse fenómeno, a cada minuto".

O jogador foi autorizado pelo clube a ausentar-se, de forma a passar a pausa para as seleções no seu país. Em entrevista à Globo, o atleta mostrou vontade em abandonar a Ucrânia. Taison está no país do leste europeu há nove anos, quando ingressou no Metalist. Em 2013 assinou pela atual equipa de Luís Castro.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados