Rejeitada Assembleia Geral extraordinária no Sporting

Depois dos protestos em Alvalade, durante o fim de semana, a Mesa da Assembleia Geral indeferiu o pedido de reunião extraordinária.

O pedido do movimento "Dar Futuro ao Sporting" foi rejeitado por unanimidade, o anúncio foi feito pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral (MAG) do Sporting, Rogério Alves.

A MAG diz que a decisão "fundamenta-se em irregularidades formais". No pedido de reunião magna extraordinário, o movimento invoca justa causa para a destituição dos órgãos sociais. No entanto, Rogério Alves entende que "que os factos constantes do requerimento não integrariam o conceito de justa causa". O presidente da MAG, diz que num requerimento deste género
uma justa causa devia apontar a violações graves aos estatutos do clube, o que não aconteceu.

O Movimento "Dar Futuro ao Sporting" entregou no passado dia 07 de janeiro o requerimento para a convocação de uma assembleia geral extraordinária do clube na sequência de uma reunião com a MAG.

Num documento apresentado a Rogério Alves, o movimento apontou um conjunto de violações da atual direção sportinguista, liderada pelo presidente Frederico Varandas, que consideravam servir de fundamento para a realização de uma AG de destituição.

Entre as violações dos estatutos apresentadas estão a quebra do protocolo com os grupos organizados de adeptos (GOA) e o "aumento propositado" do som das colunas, "para censurar a crítica", bem como algumas medidas apresentadas no programa eleitoral, que entendem não terem sido cumpridas.

No último fim de semana, a contestação ao presidente do Sporting subiu de tom. Milhares de adeptos manifestaram-se junto ao pavilhão João Rocha, por altura do dérbi de futsal entre Sporting e Benfica.

Na segunda-feira, Varandas reafirmou, na TVI, que se mantém determinado e que a direção a que preside não se demite.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de