Seferovic só precisou de uma tentativa. Portugal sai derrotado da Suíça

Veja o golo. Seleção nacional perdeu em Genebra a liderança do grupo A2 da Liga das Nações.

Um minuto, um cruzamento, um golo de Seferovic. Assim se resume a vitória da Suíça sobre Portugal, esta noite, em Genebra, na quarta jornada do grupo A2 da Liga das Nações. O ponta de lança - bem conhecido dos portugueses - marcou o único golo do jogo e viu Omlin, o colega de seleção que joga na outra ponta do campo, manter a baliza a salvo das tentativas lusas.

Com este resultado, Portugal perdeu a liderança do grupo para Espanha, que venceu a República Checa por 2-0, e os suíços conquistaram três pontos que mantêm viva a esperança de não descer ao escalão B.

Golo suíço, sotaque português?

Seferovic fez questão de se mostrar desde cedo. Os suíços saíram com bola pela direita, Shaqiri lançou Widmer e o lateral-direito cruzou para o coração da área, onde surgiu o ponta de lança helvético - que joga em Portugal - a cabecear para o 1-0.

Jogava-se há apenas um minuto e os lusos já sentiam na pele que esta não era a mesma Suíça que visitara Alvalade no fim de semana anterior. Mas este também não era o mesmo Portugal: André Silva e Rafael Leão tomavam conta do ataque, e se o primeiro se fixava mais na frente, o segundo mostrava chegar ao jogo com vontade de ter bola e de a fazer mexer. Não chegava, e a noite não demorou a ameaçar piorar.

Doze minutos de jogo. Shaqiri cruza a partir da direita, Nuno Mendes surge no caminho do lance e acaba por ver a bola bater-lhe na mão esquerda. O árbitro croata Fran Jovic assinalou grande penalidade, mas perante os protestos portugueses e o aviso do VAR, decidiu consultar as imagens. Salvou-se Portugal: Elvedi tinha "roubado" a bola a André Silva acertando nas pernas do português momentos antes do lance na área portuguesa. Assim sendo, penálti anulado.

Livre desse momento de pressão, Portugal até chegou a marcar, pouco depois, com André Silva e Rafael Leão a trocarem de lugar - o primeiro correu, o segundo finalizou -, mas a jogada tinha começado com fora de jogo. E para piorar um pouco a disposição dos suíços, Shaqiri via-se obrigado a sair por lesão. Okafor rendeu-o.

Segredo não estava no banco

Sem ideias novas e a precisar de encontrar o melhor caminho para a baliza, depois de 45 minutos em que não conseguiu responder ao golo de Seferovic, Fernando Santos abdicou de Otávio ao intervalo para lançar Gonçalo Guedes.

Não foi preciso esperar muito para se perceber que seria preciso algo mais do que uma alteração em Genebra. Apesar de ir chegando, a espaços, à baliza de Omlin, Portugal não criava real perigo e parecia ir perdendo tempo. Para lutar contra a falta de imaginação - mas também contra o relógio - Santos fez saltar do banco aquele que tem sido um dos guias para o golo, Bernardo Silva. E não o fez entrar sozinho: Diogo Jota acompanhou-o. Saíram Vitinha - que passou ao lado do jogo - e Rafael Leão.

Das bancadas também não faltava apoio. Ainda que jogasse fora, Portugal parecia, desde os primeiros acordes do hino nacional, o anfitrião. Omlin, que ia queimando algum tempo a cada pontapé de baliza, que o diga, com os apupos no estádio a enfatizarem-se à medida que o cronómetro avançava.

O jogo começava a partir-se. Portugal criava, finalmente, oportunidades de golo - aos 77' Jota cabeceou e obrigou Omlin a ir ao relvado para negar o empate - mas o meio-campo era cada vez mais terra de ninguém. Fosse Seferovic mais rápido e talvez os lusos se vissem obrigados a responder a um 2-0. Ainda assim, nem tudo eram más notícias: aos 80', o corredor direito português parecia, finalmente, ser capaz de construir um golo a qualquer momento.

Matheus Nunes, que tinha rendido Bruno Fernandes, também já andava pelo relvado de Genebra e, num momento em que muitos pensariam no jeito que Cristiano Ronaldo daria à equipa nacional, surgia na linha lateral um "7" que podia enganar os mais incautos. Esta noite calhou a Ricardo Horta vestir essa camisola: era a derradeira aposta de Fernando Santos. Saiu Rúben Neves.

Pepe, que acabou o jogo praticamente como um avançado, ainda foi quem esteve mais perto do empate, mas no fim prevaleceu mesmo a eficácia: Seferovic já tinha mostrado que bastava uma tentativa.

Onze da Suíça: Omlin, Widmer, Akanji, Elvedi, Rodríguez, Xhaka, Sow, Freuler, Shaqiri, Embolo e Seferovic

Onze de Portugal: Rui Patrício, Cancelo, Pepe, Danilo, Nuno Mendes, Rúben Neves, Bruno Fernandes, Otávio, Vitinha, Rafael Leão e André Silva

O jogo foi dirigido pelo croata Fran Jovic.

Suplentes da Suíça: Sommer, Mvogo, Stergiou, Frei, Steffen, Zuber, Amdouni, Okafor, Cömert, Gavranovic, Aebischer e Schär

Suplentes de Portugal: Rui Silva, Diogo Costa, Dalot, Domingos Duarte, Carmo, Palhinha, Ricardo Horta, Bernardo Silva, William, Guedes, Jota e Matheus Nunes

A fase final da Liga das Nações realiza-se de 14 a 18 de junho de 2023, com os vencedores dos quatro grupos da Liga A, sendo que os últimos de cada um dos agrupamentos descem à Liga B.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de