"Também somos humanos." Ex-jogadora de râguebi critica afastamento de atletas transgénero femininas

Caroline Layt, antiga atleta de râguebi, também ela transgénero, criticou a decisão da IRL, que, na sua opinião, "seguiu o comboio" da Federação Internacional de Natação (FINA), que também baniu as atletas transexuais das provas femininas.

Caroline Layt, ex-jogadora transgénero de râguebi, criticou o afastamento de atletas femininas com a mesma identidade de género que a sua de provas internacionais da modalidade.

A decisão da Liga Internacional de Rugby (IRL) de excluir as mulheres transexuais é "lamentável", considera a antiga atleta, agora jornalista e ativista.

Layt lamenta que a modalidade tenha decidido "seguir o comboio" da Federação Internacional de Natação (FINA), que baniu as atletas transexuais das provas femininas, colocando-as numa nova "categoria aberta".

A Federação Internacional de Natação (FINA) votou, este domingo, a proibição da participação de mulheres transgénero em competições de elite feminina, caso as atletas tenham atravessado a fase da puberdade como rapazes.

A antiga atleta, agora jornalista e ativista, denunciou, em entrevista à agência France-Presse, que foi "agredida fisicamente" por alguns colegas jogadores durante o treino do clube que representava, em 2005. No ano seguinte, já a representar uma nova equipa, Layt disse que foi alvo de tentativa de lesões no campo por parte de adversárias.

"Alguns atletas já me pediram desculpa desde então", revela, referindo que "alguns não pediram e não mudaram a sua atitude desde então, mas os que mudaram, aprecio-os muito isso e agora acabei por considerar meus amigos".

"Também somos humanos, temos sentimentos, e sentimos que estamos a ser afastadas", afirmou Caroline Layt, contando a sua experiência: "fiz a transição há muito, muito tempo e ninguém parece perceber que nos identificamos como mulheres desde muito cedo".

A ex-jogadora contou que já se sentia como uma rapariga aos quatro anos de idade e, se a sociedade tivesse sido diferente na altura, ela podia não ter passado pela puberdade masculina. "Somos punidos pela transição, também somos punidos por termos de passar pela puberdade", explica.

As atletas transexuais estão proibidas de jogar em torneios internacionais de râguebi feminino até que entre em vigor uma "política de inclusão completa", disse esta terça-feira a Liga Internacional de Rugby (IRL).

Até que a política esteja finalizada, as jogadoras "que passaram do sexo masculino para o feminino não podem participar em jogos internacionais de râguebi feminino", disse a IRL em comunicado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de