Tenista checa deixará a Austrália "o mais depressa possível" após cancelamento de visto

Renata Vorácová tinha obtido o visto graças a uma isenção médica, apesar de não ter sido totalmente vacinada contra a Covid-19.

A tenista checa Renata Vorácová deixará a Austrália "o mais depressa possível" após as autoridades terem cancelado o seu visto, que tinha obtido, graças a uma isenção médica, apesar de não ter sido totalmente vacinada.

Vorácová, que estava na Austrália desde dezembro e já tinha jogado um jogo de aquecimento antes do Open da Austrália, foi detida na quinta-feira e levada para um hotel da cidade de Melbourne, confirmou a embaixada checa em Camberra.

A diplomacia checa confirmou que a tenista de 38 anos "decidiu deixar a Austrália o mais depressa possível e não participará no torneio de ténis em Melbourne".

A embaixada checa disse numa declaração que tinha contactado o Ministério dos Assuntos Internos da Austrália para uma explicação da situação de Vorácová.

O caso de Vorácova surgiu no meio de controvérsia sobre o cancelamento do visto para entrar na Austrália do tenista sérvio Novak Djokovic, que está a ser mantido isolado no mesmo hotel na cidade australiana enquanto aguarda uma decisão judicial sobre a sua deportação na segunda-feira.

Djokovic chegou à Austrália na quarta-feira à noite com uma isenção médica que lhe permitiria defender o seu título de sem estar vacinado.

A revogação do visto de Djokovic criou tensões diplomáticas entre a Austrália e a Sérvia.

A disputa sobre as isenções médicas concedidas pela Federação Australiana de Ténis e pelo governo regional de Vitória, onde se realiza o Open da Austrália, levou o Executivo de Camberra a investigar licenças semelhantes concedidas a outras pessoas que participam no torneio em Melbourne, que decorre de 17 a 30 de janeiro.

De acordo com uma carta divulgada hoje, a Tennis Australia advertiu em novembro passado que a viabilidade do Open da Austrália dependia de os jogadores que não tivessem sido vacinados fossem autorizados a entrar no país para competir no torneio, de acordo com uma carta divulgada pelos meios de comunicação locais no sábado.

A missiva escrita pelo chefe do Tennis Australia, Craig Tiley,

A vacina é obrigatória para entrar na Austrália, mas existem isenções temporárias para pessoas que tenham "uma condição médica grave", que não podem ser vacinadas porque contraíram covid-19 nos seis meses anteriores ou tiveram uma reação adversa ao medicamento, entre outras razões.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de