Uma estrela "caída", outra "brilhante": Portugal sem Ronaldo e a surpresa de Gonçalo Ramos na imprensa
Catar 2022

Uma estrela "caída", outra "brilhante": Portugal sem Ronaldo e a surpresa de Gonçalo Ramos na imprensa internacional

"Portugal troca uma estrela amuada por uma brilhante e navega para a vitória no Mundial." É este o título escolhido pelo jornal norte-americano Washington Post para contar aos seus leitores como foi o jogo que opôs a seleção das quinas à Suíça esta terça-feira. "Cristiano Ronaldo, a megaestrela portuguesa, ficou no banco por amuar depois da saída antecipada na final da fase de grupos", escreve o mesmo jornal. Já Gonçalo Ramos "roubou os holofotes" com três golos dignos de rasgados elogios.

"O seu nome é Gonçalo Ramos o holofote agora é dele", escreve também o New York Times, num artigo que destaca o novo "herói goleador" da seleção portuguesa que "deixou uma nação inteira, e o Mundial inteiro, a pensar porque não foi titular em vez de Ronaldo mais cedo".

Mesmo sem teclados com cedilhas, os jornalistas da BBC traçam um perfil do jogador "de 21 anos e 169 dias", o mais novo a marcar um hat-trick num Mundial desde 1962. "Quem é Goncalo Ramos, o homem que substituiu Cristiano Ronaldo?"

Numa análise ao jogo, a BBC destaca "Cristiano Ronaldo reduzido ao papel de uma superestrela que ninguém quer". Portugal ficou "certamente melhor sem ele", pode ler-se.

Gonçalo Ramos é "uma estrela genuína" cuja vida vai mudar daqui em diante, escreve o britânico The Guardian. Os três golos na baliza suíça comprovam que o avançado é "o presente e o futuro de Portugal" e com ele "ao leme esta é uma equipa que finalmente se sente completa".

Já "o futuro de Cristiano Ronaldo está incerto", aponta o mesmo jornal numa outra análise. Citado, Fernando Santos não deixa claro se a titularidade vai ser devolvida ao jogador no próximo embate, frente a Marrocos.

Os espanhóis do El País defendem que "Portugal libertou-se sem Ronaldo". Escreve jornal que Fernando Santos "repôs a sua autoridade" ao castigar "o ídolo caído" e "cada vez mais ensimesmado".

"Portugal brilha sem Ronaldo", escreve também a agência EFE, destacando "uma noite gloriosa" para Gonçalo Ramos.

Vítima de uma "degradação mais, ainda mais futebolística do que emocional", Cristiano Ronaldo já "não está imune aos pecados do ego", Escreve o El Mundo. Os adeptos bem podiam gritar o nome dele - "o herói caído - no estádio de Lusail, mas "Portugal já sabe que não precisa dele."

"Um herói hat-trick. Goncalo Ramos apresentou-se ao mundo em estilo. Wow" - escreveu a FIFA no Twitter.

A Associeted Press até começa a notícia a descrever os gritos de "Ronaldo! Ronaldo!" que se ouviram nas bancadas, quando os adeptos se aperceberam que o capitão ficaria no banco. Mas depressa admitem que ao substituir uma "superestrela", Gonçalo Ramos tornou-se "uma estrela imediata".

Num outro texto da mesma agência de notícias, Cristiano Ronaldo é descrito como "uma figura solitária ao deixar o campo depois de um jogo em que não foi o centro das atenções".

Para a Reuters, se até agora poucos no mundo conheciam o nome de Gonçalo Ramos, certamente agora nunca mais se vão esquecer. Deixar Ronaldo no banco foi, nas palavras da agência norte-americana, foi uma decisão "corajosa e arrojada".

Gonçalo Ramos "foi o escolhido por Fernando Santos para substituir Cristiano Ronaldo, o maior nome da história do futebol português, barrado pelo técnico. A escolha foi ousada, mas se mostrou certeira", aponta também o jornal brasileiro A Folha de São Paulo.

Na imprensa desportiva, Gonçalo Ramos "fez esquecer Cristiano Ronaldo", para o francês L'Équipe; Portugal "voa sem Cristiano" no espanhol AS; "Portugal (sem Ronaldo) é um espetáculo", escreve o italiano Gazzetta Dello Sport. ". O jogo foi ganho talvez por causa da sua ausência: O contraste entre o show de Ronaldo e o show de Portugal que o precedeu foi impressionante", aponta o norte-americano Sky Sports.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de