Luís Filipe Vieira está na presidência do Benfica desde 2003
luís filipe vieira

Vieira detido. Pedem-se eleições antecipadas e o aviso de António Simões

Presidente do Benfica é suspeito de vários crimes. Em causa estão negócios de 100 milhões de euros que terão lesado o Estado e outras sociedades.

Pode ser um momento de viragem na vida do Benfica. O presidente do clube, Luís Filipe Vieira, foi alvo de buscas e detido durante a tarde desta quarta-feira. Além do líder dos encarnados, foram também detidos dois empresários e um agente desportivo, informou o Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

A nota explica que, durante o dia desta quarta-feira, foram cumpridos cerca de 45 mandados de busca, em várias sociedades, domicílios, escritórios de advogados e uma instituição bancária, tendo decorrido em Lisboa, Torres Vedras e Braga".

O processo conduzido pelo Ministério Público, em colaboração com DCIAP e a Autoridade Tributária, investiga negócios e financiamentos com montante superior a 100 milhões de euros, que terão provocado prejuízos para o Estado e para outras sociedades.

"Em causa estão factos ocorridos, essencialmente, a partir de 2014 e até ao presente e suscetíveis de integrarem a prática, entre outros, de crimes de abuso de confiança, burla qualificada, falsificação, fraude fiscal e branqueamento", lê-se na nota.

As atenções estão centradas em Luís Filipe Vieira e as suspeitas não são de agora. Ao longo dos últimos anos, o presidente encarnado viu o seu nome envolvido em vários processos judiciais.

Ao início da noite, a SAD do Benfica enviou um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, esclarecendo que nem a SAD nem o clube foram constituídos arguidos. Mas sendo o seu líder máximo o visado, as vozes de dentro e de fora exigem a saída de Vieira.

Simões "zangado e com dor"

À TSF, a antiga glória do clube, António Simões, recorda que, quando o antigo líder encarnado foi apanhado pela Justiça, aconselhou um dos vice-presidentes da época, José Manuel Capristano, a demitir-se em tempo útil e enquanto não era envolvido no caso.

"Disse-lhe pessoalmente: 'José, vamos embora, sai daqui. Não sejas cúmplice, porque isto ainda vai para a frente'", recorda Simões. José Manuel Capristano "acabou por ser muito prejudicado por ter continuado", apesar de ser "um bom homem e um grande benfiquista".

"Deixou-se entusiasmar de tal forma que foi arrastado para uma situação extremamente desagradável", lamenta o antigo jogador encarnado sobre o episódio vivivo há cerca de 20 anos, assumindo-se "zangado e com dor" face ao que acontece neste momento no Benfica.

"Não há condições" para se manter no cargo

Já um antigo rival, nas eleições à presidência do clube, Bruno Costa Carvalho, vai mais longe. O antigo candidato defende a saída imediata de Luís Filipe Vieira da liderança do clube e pede eleições antecipadas.

"A conclusão principal é clara e óbvia para mim: independentemente do grau de culpabilidade de Luís Filipe Vieira - que pode ser nenhum, tem direito a ser presumido inocente -, foi detido. Ninguém imagina que o presidente da Galp ou da EDP, se fossem detidos, no dia seguinte pudessem continuar a ser presidentes dessas empresas", defende Bruno Costa Carvalho, que realça que a Benfica SAD "é uma empresa cotada em bolsa".

"Não há qualquer condição para o presidente do Benfica poder continuar a sê-lo", considera também o antigo candidato, que diz só ver um caminho: "Luís Filipe Vieira e toda a direção sair e haver novas eleições."

Ribeiro e Castro pede eleições antecipadas

Por outro lado, o antigo deputado, eurodeputado e líder do CDS, José Ribeiro e Castro, que foi vice-presidente do Benfica defende que se evite uma substituição interna na presidência do Benfica e que se opte por eleições antecipadas.

"Creio que havendo aparentemente um impedimento prolongado da plenitude das condições do exercício, a decisão séria que os órgãos sociais do Benfica devem tomar é a realização de eleições", refere à TSF.

Nas redes sociais, sucedem-se os pedidos de demissão e percebe-se o descontentamento por parte de alguns grupos de adeptos do Benfica. O movimento "Servir o Benfica" exige "o afastamento total entre Luís Filipe Vieira e o Sport Lisboa e Benfica.

Embora lembre o "direito à presunção de inocência", o movimento defende também a "demissão de todos os elementos dos Órgãos Sociais do Clube", acompanhada da marcação "urgente de eleições antecipadas".

"Não será de forma alguma tolerada uma solução de continuidade personificada em quem, por ser integrante dos Órgãos Sociais, tenha ativa ou passivamente pactuado com atos que de acordo com a investigação em curso possam ter lesado o Sport Lisboa e Benfica", conclui a comunicação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de