Vieira garante que conversas no Benfica "têm levado a que o João Félix fique"

Líder encarnado garante que os alvos para o mercado de transferências deste verão estão definidos.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, desmente que exista qualquer pressão para a saída de João Félix do clube e garante que está a fazer tudo para manter o jogador no clube.

O líder benfiquista recorda que se tem falado de "pressões de família e do empresário" nesse sentido, mas assegura que "até agora, todas as conversações que temos tido têm levado a que o João Félix fique no Benfica"

Sobre o contrato do jovem jogador, Vieira lembra que o mesmo é de "cinco anos" e, portanto, "não há necessidade de fazer renovação nenhuma." Também o mercado não preocupa o presidente encarnado: "Tem uma cláusula de venda de 120 milhões de euros, por isso não estamos minimamente preocupados."

Um dos nomes apontados ao ataque do Benfica tem sido o de Raúl De Tomás, avançado espanhol com ligação ao Real Madrid. Vieira desvalorizou os rumores do mercado, garantindo que "estão definidos alguns alvos que podem interessar ao Benfica".

"Não me recordo desse nome estar lá", assegurou.

Numa breve análise sobre a ponta final da temporada, e instigado a pronunciar-se sobre a chamada de Bruno Lage para o comando técnico do plantel principal, Luís Filipe Vieira revelou que, aquando da sua contratação, perspetivava-se que isso poderia acontecer, mas não no curto prazo.

"Não se faz um contrato de cinco anos com um treinador para vir treinar os juniores, juvenis ou a equipa B. Ele sabe o que tínhamos conversado quando o contratámos. Não estávamos a perspetivar que fosse nesta altura. Infelizmente teve de ser assim. Apesar de guardar memórias de Rui Vitória, que fez um belíssimo trabalho no Benfica, e que agora onde está também foi campeão [Al Nassr, da Arábia Saudita]", relembrou.

O clima de tensão verbal vivido ao longo desta temporada mereceu também um reparo por parte de Vieira, que sustenta que não cabe apenas aos clubes colocarem um 'travão' nas polémicas.

"O nosso trabalho não passa por prejudicar o futebol. Não estou a ver ninguém do Benfica a entrar em polémicas com quem quer que seja. O tom que existe tem de abrandar. Não compete só aos clubes fazer esse abrandamento. Compete à Liga, à Federação [Portuguesa de Futebol] e até ao próprio governo colocarem regras claras de jogo", alertou.

Quanto à final da Taça de Portugal, no sábado, entre FC Porto e Sporting, o líder dos 'encarnados' espera que seja uma grande partida de futebol e que ganhe o melhor.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados