Wembley autorizado a receber mais de 60 mil pessoas nas meias e final do Euro

Capacidade do estádio vai aumentando progressivamente ao longo do torneio: recebeu até 22.500 espetadores na fase de grupos, vai poder chegar aos 40 mil nos oitavos de final e a capacidade aumenta para 60 mil nos últimos jogos.

As meias-finais e a final do Euro 2020 de futebol têm permissão para a presença de mais de 60.000 espetadores no Estádio de Wembley, em Londres, informou esta terça-feira o governo britânico.

No Euro2020, Wembley recebe três jogos da fase de grupos, dois dos oitavos de final, as duas meias-finais e a final.

Foi dada uma autorização até 22.500 espetadores na fase de grupos, com o primeiro jogo de Inglaterra com Croácia (1-0) a ter 18.497 espetadores, e o segundo, diante da Escócia, a ter 20.306 pessoas.

O governo já tinha acordado um aumento para os oitavos de final até cerca de 40.000 espetadores, mas agora Wembley recebe 'luz verde' para chegar a 75% da sua capacidade, quando o estádio londrino tem uma lotação de 90.000 lugares.

A possibilidade de mais público nas meias-finais e final levaram o presidente da UEFA, Aleksander Ceferin, a dizer que está "grato ao primeiro-ministro e ao governo britânico pelo trabalho árduo" em finalizar os acordos com o organismo do futebol.

Na nota hoje divulgada, o governo britânico lembrou também que será "a maior concentração de pessoas num evento desportivo no Reino Unido em 15 meses", desde o início da pandemia da Covid-19.

No sábado, a UEFA tinha informado estar em conversações com as autoridades no sentido de permitirem que o país recebesse adeptos no Euro 2020, sem os obrigarem a isolamento, situação sobre a qual ainda não foram fornecidos detalhes.

No mesmo dia, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, reafirmou que a sua prioridade era a "saúde pública", mais do que manter Londres como palco das meias-finais, em 06 e 07 de julho, e final, em 11 de julho, e quando se falava que as mesmas poderiam ser transferidas para Budapeste.

"Faremos tudo o que devemos fazer para proteger o país da [pandemia de] Covid-19. É, evidentemente, a nossa prioridade. Vamos falar com a UEFA e ver o que eles querem e ver se podemos fazer adaptações, mas a saúde pública continua a ser a prioridade", comentou então Boris Johnson.

Já na segunda-feira, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, revelou que se opõe à realização da final do Euro 2020 no estádio de Wembley, devido ao aumento significativo dos casos de Covid-19 provocados pela variante Delta em Inglaterra.

O Euro 2020, que foi adiado para 2021 devido à pandemia de Covid-19, decorre até 11 de julho, em 11 cidades de 11 países.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 3.875.359 mortos no mundo, resultantes de mais de 178,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de