Alterações regulatórias em Portugal "travam o crescimento da EDP", acusa a empresa

A EDP baixa 181 milhões de Euros o lucro no primeiro semestre do ano e parte dessa quebra deve-se à redução das rendas pagas pelo Estado português

Num comunicado relativo às contas do primeiro semestre do ano a EDP sublinha que o resultado da empresa na Península Ibérica "manteve-se quase estável face ao primeiro semestre de 2017".

Houve mesmo uma subida de 127 Milhões de Euros "proporcionada pela melhoria de condições de mercado".
Ou seja, aumentou a disponibilidade hídrica com o fim da seca mas para a EDP esta vantagem "foi anulada por diversas alterações regulatórias em Portugal" que custaram à EDP menos 122 Milhões de Euros "que afetaram tanto a produção (redução dos proveitos com CMECs, acréscimo de impostos e novas taxas) como a distribuição (corte de 14% nos proveitos no âmbito de revisão regulatória para 2018-2020)", sublinha a EDP.

No quadro geral, os resultados da empresa elétrica que hoje foram apresentados à Comissão de Mercados de Valores Mobiliários demonstram uma quebra de 10% no resultado (EBITDA) da empresa livre de impostos.

Ou seja, o lucro passou para 1722 milhões de Euros em vez dos 1902 milhões dos primeiros seis meses do ano passado.

Além das questões regulatórias a EDP justifica parte desta quebra com questões cambiais do Dólar (EUA) e do Real (Brasil) face ao Euro, já que a EDP está presente no mercado brasileiro e norte-americano.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados