ANMP questiona como é que municípios vão viver com menos 1200 ME

Fernando Ruas questionou, este sábado, como é que as câmaras vão responder aos problemas sociais e viver com menos 1200 milhões de euros nos próximos dois anos.

«Como é que se fica numa situação destas? Nós temos a estrita obrigação e o dever de alertar quem está a jusante da nossa acção, os cidadãos, mas também quem está a montante para dizer como é que se faz aquilo que são as nossas competências, e que são reconhecidas por todas, com menos 1200 milhões de euros. Como é que se faz?», questionou o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

O líder da ANMP disse ainda recear que, neste contexto, «se percam verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) por falta da componente [financeira] nacional», colocando em causa projectos financiados pela União Europeia.

Mais de mil autarcas estão reunidos este sábado em Coimbra no XIX congresso da ANMP, sob o lema "Ao Serviço de Portugal e dos Portugueses", que tem como principais temas a situação financeira dos municípios no contexto da crise económico-financeira do país, o endividamento das autarquias, «as competências exercidas pelos municípios sem os correspondentes meios» e a distribuição de verbas do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN).

O congresso será encerrado, pelas 20:00 horas, pelo primeiro-ministro, Passos Coelho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de