Autoeuropa paga 120 mil euros à Força Aérea para estacionar oito mil carros

Cada lugar extra para lá dos oito mil custará mais 50 cêntimos por dia.

A Volkswagen Autoeuropa acordou pagar 120 mil euros para poder estacionar até 8 mil carros durante 93 dias na Base da Força Aérea no Montijo. O protocolo, que até agora não tinha sido revelado, detalha as condições de cedência e explica que o pedido da empresa para usar a base é uma solução "excecional" acordada para durar até 17 de dezembro que "não afeta em circunstância alguma a operação e segurança" da Força Aérea.

O documento consultado pela TSF revela que em troca de espaço para oito mil carros durante 93 dias a Força Aérea Portuguesa recebe 120 mil euros. Ou seja, fazendo as contas (sem o IVA que também terá de ser pago), se a Autoeuropa usasse o máximo da capacidade possível cada lugar custará cerca de 16 cêntimos por dia ou 15 euros por lugar para os 93 dias.

A empresa não avança o número de carros que tem estacionado no Montijo, mas fonte da Força Aérea adianta que varia diariamente e nunca se terá atingido a capacidade máxima.

O protocolo prevê ainda a possibilidade de alargar, com autorização militar, de oito mil para dez mil lugares de estacionamento caso em que a empresa terá de pagar mais 50 cêntimos por dia por viatura.
Por cada funcionário a entrar na base a Autoeuropa pagará ainda, por dia, mais 26,60 euros pelas despesas com água, energia, limpeza e refeições.

Força Aérea evita imprevistos

Evitando qualquer imprevisto, a Força Aérea também garantiu uma cláusula que lhe permite cessar o protocolo a qualquer momento sem obrigação de pagar qualquer indemnização à empresa. Por exemplo, se surgir alguma situação urgente não prevista ou se a presença das viaturas afetar em alguma circunstância o trabalho normal da base aérea.

A empresa também não terá direito a qualquer indemnização se existirem danos nas viaturas.

A Autoeuropa compromete-se a não ceder o espaço a qualquer outra entidade, tendo de limpar as zonas de parqueamento no final, aceitando que está "subordinada" aos interesses militares e eventuais constrangimentos da atividade da base.

O contrato entre a Volkswagen Autoeuropa e a Força Aérea pode ser prolongado para lá de 17 de dezembro pagando diariamente o valor proporcional aos 120 mil euros por 93 dias, cenário que ainda está em cima da mesa. Recorde que a greve dos estivadores que tem travado exportação de carros pelo Porto de Setúbal continua em curso.

A Força Aérea sublinha que tiveram em conta, neste protocolo, aquilo "que a Autoeuropa representa para a economia nacional" e que a base aérea tem um espaço adequado para receber as viaturas sem colocar em causa a atividade militar de rotina.

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados