Autoridade da Concorrência condenada por não investigar

O Tribunal da Concorrência considera que, em 2010, o regulador devia ter dado seguimento a uma queixa em relação ao setor dos combustíveis.

A Autoridade da Concorrência (AdC) foi condenada por ter ignorado uma queixa do Automóvel Clube de Portugal (ACP), que pedia "diligências sobre um conjunto de práticas e comportamentos da Galp que indiciavam fortemente a existência de práticas restritivas do setor dos combustíveis líquidos", informa o ACP.

Carlos Barbosa, presidente do ACP, diz estar satisfeito com a decisão do Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, lamentando, no entanto, que a decisão tenha chegado com cinco anos de atraso.

Carlos Barbosa, presidente do Automóvel Club de Portugal

00:0000:00

Carlos Barbosa critica ainda a posição da Galp no mercado, defendendo uma maior liberalização do mercado dos combustíveis.

A Autoridade da Concorrência tem agora de investigar a queixa do ACP.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de