CTT vão encerrar 22 lojas

Trabalhadores dos CTT falam em "encerramento sumário" e afirmam que foram apanhados de surpresa.

Os CTT vão encerrar 22 lojas por todo o país, cerca de 10% das lojas próprias dos correios. A informação avançada pelo jornal online ECO e confirmada pela TSF dá conta de que a empresa irá encerrar as lojas com menos afluência.

A notícia apanhou de surpresa a Comissão de Trabalhadores dos CTT. José Rosário, coordenador da comissão de trabalhadores, garantiu à TSF que a decisão de fechar mais de 20 lojas não foi comunicada aos funcionários pela administração.

"No dia 27 [de dezembro] tivemos reunião com a administração. Nunca nos foi colocada uma questão de despedimentos coletivos nem de encerramento sumário e de elevado número de lojas", disse.

"Vinte e duas estações de uma só vez, estamos a falar de cerca de 10% das estações que estão abertas a nível nacional", constatou José Rosário, acrescentando que a medida tem "um peso muito grande".

O coordenador da Comissão de Trabalhadores dos CTT afirma que ainda não foi apurado o número concreto de postos de trabalho afetados, mas assegura que a medida vai atingir mais de 40 funcionários.

Ainda assim, José Rosário acredita que os trabalhadores podem ser colocados noutras estações de correios.

"Temos falta de trabalhadores em muitas áreas da empresa, contrariamente ao que a empresa diz, de que tem excedentes", afirmou José Rosário, explicitando que faltam funcionários "tanto no atendimento como na distribuição".

A Comissão de Trabalhadores vai ainda analisar o plano de fecho das 22 lojas dos correios, mas afirma que está contra o fecho das estações.

Os trabalhadores acreditam que o encerramento destas lojas irá afetar, sobretudo, os utentes mais velhos.

"Há aqui lojas que servem populações envelhecidas e que qualquer deslocalização (...) representa uma dificuldade acrescida para as pessoas" e que acarreta custos, defendeu a Comissão de Trabalhadores dos CTT.

De acordo com o ECO, as lojas que vão encerrar são: Junqueira, Avenida (Loulé), Universidade (Aveiro), Termas de S. Vicente, Socorro (Lisboa), Riba d"Ave, Paços de Brandão (Santa Maria da Feira), Lavradio (Barreiro), Galiza (Porto), Freamunde, Filipa de Lencastre (Belas), Olaias (Lisboa), Camarate, Calheta (Ponta Delgada), Barrosinhas (Águeda), Asprelas (Porto), Areosa (Porto), Araucária (Vila Real), Alpiarça, Alferrarede, Aldeia de Paio Pires e Arco da Calheta (Madeira).

Patrocinado

Apoio de

Patrocinado

Apoio de

Outros Artigos Recomendados