Ferraz da Costa: se administração da CGD cair, Centeno tem de pagar fatura

O presidente do Conselho Diretivo do Fórum para a Competitividade critica, ainda, os custos elevados do banco estatal com os seus recursos humanos.

Com a polémica em torno da Caixa Geral de Depósitos ainda longe do fim, Pedro Ferraz da Costa considera que não existe outra alternativa para o Ministro das Finanças, que não seja a saída do Governo.

O presidente do Fórum para a Competitividade refere, na entrevista TSF/DN que "não há outra penalização que não seja essa", referindo-se à possibilidade de a atual administração do banco público abandonar o cargo, devido à entrega e apresentação da declaração de rendimentos de todos os seus membros.

Pedro Ferraz da Costa lamenta o clima de incerteza que rodeia a CGD, por considerar que este é o pior cenário possível para um banco que deve ser visto como um exemplo, mas que, na sua opinião, não é isso que tem acontecido. Ferraz da Costa lembra que entre 2004 e 2010, a Caixa foi o banco que mais aumentou os ordenados no sistema bancário português, fazendo "disparar os custos e aumentado os prejuízos na atividade corrente".

Nesta entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, Ferraz da Costa analisa a situação política em Portugal e não só, fala também sobre a eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos.

Uma ano depois da assinatura do acordo que deu origem à "geringonça" (aliança entre Governo, Bloco de Esquerda e PCP), o presidente do Fórum para a Competitividade refere que este é um executivo que pensa, em primeiro lugar, na sua sobrevivência. Porém, adverte, no atual contexto político, esta atitude pode sair cara à economia e o país, porque condiciona o executivo de António Costa a curto prazo.

Outra consequência, no olhar de Ferraz da Costa, reflete-se no sentimento de confiança, já que a influência do Bloco de Esquerda e do PCP gera "receio por parte dos empresários, quer a nível interno, quer a nível externo".

Sobre o tema que marcou a semana, a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, Pedro Ferraz da Costa espera que o empresário tenha sucesso nas novas funções na Casa Branca, porque "era bom para todos que assim fosse". O presidente do Fórum para a Competitividade lembra, também, que aquando da eleição de Ronald Reagan, as reações foram semelhantes, sendo que este deixou como marca no país, um período de grande crescimento económico.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de