Habitação

Como (e quem) pode melhorar a eficiência económica de casa?

O programa Casa Eficiente 2020 vai dar empréstimos com condições mais favoráveis a quem fizer obras para melhorar a eficiência energética das casas.

A Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) aplaude a decisão do Governo de avançar com o Programa Casa Eficiente 2020, que pretende facilitar a contração de empréstimos a quem quiser fazer obras para tornar as casas energeticamente mais eficientes.

Para este programa, o serão disponibilizados 200 milhões de euros: 50% da quantia é suportada pelo Banco Europeu de Investimento e os restantes 100 milhões de euros serão suportados por três bancos, a Caixa Geral de Depósitos, o Millennium BCP e o Novo Banco.

Ouvido pela TSF, Manuel Reis Campos, presidente da CPCI, prevê que as condições de financiamento irão permitir que os portugueses tornem as habitações mais eficientes do ponto de vista energético.

Reis Campos destaca que o Programa Casa Eficiente 2020 vai também dinamizar o setor da construção.

Mais conforto... para quem o pode pagar

Já o presidente da Associação Nacional de Peritos Qualificados do Sistema de Certificação Energética (ANPQ) lamenta que o programa só sirva os interesses das famílias que têm algum poder de compra.

Carlos Oliveira considera que em Portugal se investe pouco em conforto devido às dificuldades económicas que atingem grande parte das famílias.

Carlos Oliveira afirma que, em geral, a construção em Portugal é má, no que toca ao isolamento térmico e revela quais os principais problemas da falta de eficiência energética com que os peritos se deparam diariamente.

Para quem tem menos poder de compra, o presidente da ANPQ recomenda uma medida que implica um menor investimento, mas que tem impacto no conforto.

*com Nuno Domingues e Rita Costa

  COMENTÁRIOS