crise dos combustíveis

Bombeiros, militares ou civis. Governo convoca trabalhadores com carta de pesados

A declaração de situação de alerta é válida desde a passada terça-feira até à meia-noite deste domingo, para todo o território de Portugal continental. O ministério aplicou medidas extraordinárias, como a convocação dos trabalhadores habilitados com carta de condução de pesados, nomeadamente de bombeiros voluntários ou militares.

Na sequência da declaração da "situação de alerta" por parte do ministério da Administração Interna (MAI) e o ministério do Ambiente e da Transição Energética, o Governo convocou os trabalhadores "dos setores público e privado" que estejam "habilitados com carta de condução de veículos pesados" e ADR (certificação para o transporte de matérias perigosas), designadamente os trabalhadores que desempenhem também as funções de bombeiro voluntário. Os "agentes de proteção civil habilitados à condução de veículos pesados" com certificação ADR foram também mobilizados.

PUB

O reconhecimento da "crise energética" levou ainda o Executivo a estabelecer a obrigatoriedade da participação das empresas e dos trabalhadores dos setores público e privado"habilitados a apoiar as operações de abastecimento". A situação que se agravou nas últimas horas levou a que o Governo sentisse a necessidade de exigir níveis mínimos de combustíveis nos postos de abastecimento, para garantir os serviços essenciais, como as forças e serviços de segurança, as emergências médicas, a proteção e o socorro.

O MAI acionou as estruturas de coordenação institucional, a Autoridade Nacional de Emergência e a Proteção Civil, para fazer cumprir as medidas previstas em despacho .

As escoltas da Polícia de Segurança Pública foram aumentadas, para garantir a segurança das pessoas e dos bens, e realizaram-se em 67 veículos de transporte de matérias perigosas no Porto, em Lisboa, Santarém, Setúbal e Faro.

O Governo informou ainda, no comunicado, que, durante a noite de quarta-feira, foi possível assegurar "48 abastecimentos para os Aeroportos de Lisboa e Faro e para as Unidades de Abastecimento de Gás dos Hospitais de Portimão e Olhão, bem como para o concelho de Alpiarça, em veículos de transporte de mercadorias perigosas conduzidos por elementos da GNR e da PSP".

LER MAIS:

- SAIBA TUDO SOBRE A CRISE DOS COMBUSTÍVEIS

  COMENTÁRIOS