Prémios Millennium Horizontes

Empresas dos setores tecnológico ao farmacêutico vencem Prémios Millennium Horizontes

O Millennium BCP, em parceria com o Grupo Global Media, entregou os Prémios Millennium Horizontes 2018 numa cerimónia que decorreu, esta quinta-feira, no Altice Fórum Braga.

Entre os vencedores há empresas de setores diversificados do tecnológico ao farmacêutico, passando pelo mobiliário escolar, metalomecânica, agricultura, entre outros.

Foram distinguidas as empresas Controlar (Exportação - Grande Empresa), ebankIT (Exportação - Pequena e Média Empresa), Caradonna (Internacionalização GE), a Asfert Global (Internacionalização PME), Bluepharma (Inovação GE), Nautilus (Inovação PME), Manuel Tavares (Microempresa), Indumape (PT2020) e Adclick (Garantia Mútua).

Os oito vencedores, apurados entre 45 finalistas (concorreram mais de 800 empresas), destacaram-se nas exportações, na internacionalização ou na inovação, consideradas áreas chave para o desenvolvimento da economia portuguesa.

A Controlar, empresa de hardware e software para a indústria automóvel, sediada em Alfena, no concelho de Valongo, foi a vencedora na categoria "Exportação - Grandes Empresas" dos Prémios Millennium Horizontes. Ainda na mesma categoria, mas no segmento de Pequenas e Médias Empresas (PME), o troféu foi atribuído à empresa ebankIT, uma unidade empresarial reconhecida internacionalmente pela transformação digital da banca.

Na categoria de "Internacionalização", os vencedores foram a Caradonna, responsável pela invenção do sistema de tintagem de notas e líder de sistemas de segurança para o setor bancário e, no segmento das PME, a Asfert Global, que há mais de 20 anos se destaca no setor nutricional de plantas.

A "Inovação" foi outra das categorias premiadas pelo júri dos Prémios Millennium Horizontes, com a farmacêutica Bluepharma a vencer no segmento das grandes empresas e a Nautilus, que produz mobiliário escolar e produtos tecnológicos para a escola interativa, a destacar-se entre as PME mais inovadoras.

Na categoria de "Microempresas", o prémio foi atribuído à empresa Manuel Tavares, uma loja na baixa de Lisboa de produtos gourmet, que muito tem beneficiado com o crescimento da procura turística.

Este ano, pela primeira vez, foram acrescentadas duas novas categorias aos Prémios Millennium Horizontes, o Portugal 2020, cujo prémio foi para a Indumape, uma das maiores transformadoras de fruta, e a categoria Garantia Mútua, cujo prémio foi entregue à AdClick, que opera na área do marketing digital.

Secretário de Estado desafia PME a exportarem mais

No final da cerimónia de entrega dos Prémios Millennium Horizontes, o secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, fez o balanço a 2018, um "ano de consolidação das exportações" que em meados da próxima década devem representar 50% do Produto Interno Bruto (PIB). E lançou o desafio às Pequenas e Médias Empresas para que também participem neste esforço.

"Continuamos a concentrar exportações num número reduzido de empresas e isso é um problema. É um elemento que nos obriga a trabalhar de forma mais próxima com as PME que garantem uma parte importante do emprego em Portugal mas que uma parte significativa ainda não participa neste esforço de abertura do mercado português aos mercados externos", afirmou Eurico Brilhante Dias.

O governante anotou ainda uma excessiva concentração de exportações na União Europeia, "é outro problema", realçando que é preciso diversificar os mercados para onde Portugal exporta, prometendo novos instrumentos financeiros de apoio nesse sentido para 2019.

Nuno Amado destaca dinamismo da região Norte

Aos Prémios Millennium Horizontes concorreram mais de 800 empresas, de diferentes setores, "revelador do atual dinamismo da economia portuguesa", referiu Nuno Amado, presidente do Millennium BCP, destacando a forte vertente exportadora e a concentração de 60% de candidatos nos distritos de Porto, Braga e Aveiro, seguidos de Lisboa, Setúbal, Santarém e Leiria.

"Sempre disse que o país quando está com dificuldades, o norte aparece cada vez mais forte. A partir do momento que houve dificuldades foi o norte, os empreendedores e as empresas que avançaram. É bom que nos lembremos sempre disso", referiu Nuno Amado.

Na abertura da cerimónia, o presidente do grupo Global Media, parceiro dos Prémios Millennium Horizontes, lembrou a importância de mostrar aquilo que o país vale, nomeadamente uma realidade empresarial "positiva, relevante e exemplar".

"Os jornais, as rádios e as televisões têm de dar a conhecer aquilo que o país realmente vale e que vai muito para além dos escândalos palacianos da economia, da política ou do desporto", assinalou Daniel Proença de Carvalho, acrescentando que "se não o fizer o jornalismo de qualidade contribuirá, por omissão, para o eclodir de fenómenos políticos e sociais que põem gravemente em causa o bem comum, como infelizmente estamos a ver acontecer noutras paragens".

  COMENTÁRIOS