Economia

"Não podemos falar só em pontes, temos de olhar para outras coisas"

Ouvido no Fórum TSF, o bastonário da Ordem dos Engenheiros defendeu que a Ponte 25 de Abril está de boa saúde e criticou o "laxismo" com que se passou a tratar a conservação e manutenção das obras públicas.

O bastonário da Ordem dos Advogados lamentou esta quarta-feira que os "cortes cegos" feitos nos últimos anos nos gastos com as obras públicas tenham levado as que as obras de conservação e manutenção deixassem de ser uma prioridade.

Ouvido no Fórum TSF sobre a falta de manutenção das obras públicas, Carlos Mineiro Aires disse que se fala muito sobre a Ponte 25 de Abril mas defendeu que é preciso "olhar para mais coisas".

"Nós não podemos só falar em pontes. Nos temos é de olhar para mais coisas. Nós temos barragens, temos escolas, temos túneis, temos monumentos nacionais, temos espaços públicos, temos até centros comerciais - que são privados mas são frequentados por milhares de pessoas. Há aqui um certo laxismo nisto tudo", disse.

"Portugal é um país com elevado risco sísmico e não está a ser dada a devida atenção a matérias dessas. Habitações familiares que estão a ser transformadas em utilizações coletivas por força do turismo... Está-se neste país a cometer-se uma série de, não diria crimes para não ser alarmistas, mas diria de imprudências de governação e de atuação em que se começa a desresponsabilizar uma cadeia que existia antigamente. Essa cadeia não pode ser desautorizada. Um Estado para ser forte tem que ter instituições fortes e tem que ter capacidades fortes e nós entrámos no laxismo em Portugal em muitos aspetos", adiantou o bastonário.

Carlos Mineiro Aires lamentou que o Estado tenha vindo a afastar os engenheiros dos lugares de chefia e decisão e que olhe para estes profissionais "como um custo e não um ativo".

"Os engenheiros têm vindo a ser afastados de todos os ligares de chefia e decisão, substituídos por outras pessoas com outros critérios, nomeadamente partidários e não de conhecimento técnico, os salários que oferecem são degradantes. Chegámos a um ponto em que a questão fundamental é o desprestigio da engenharia, o descrédito do que é a engenharia e as pessoas acabam por fazer afirmações que induzem aquela ideia de que os engenheiros são indivíduos que não sabem o que querem", disse.

Carlos Mineiro Aires defendeu que Portugal precisa de ter planeamento para a manutenção e conservação das obras públicas, à semelhança do que se fez no passado: "quando planeamos as coisas tudo funciona. E também tem de haver um planeamento para a manutenção e conservação. Se isso houver não me venham dizer que não há emprego em Portugal para os engenheiros porque há emprego, porque há muita coisa para fazer".

Questionado especificamente sobre a ponte 25 de Abril, o bastonário da Ordem dos Engenheiros frisou que a ponte não está em risco e criticou quem vem a público dizer coisas como "caem milhões de parafusos", o que só serve para "lançar alarmismo" na opinião pública.